O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez

dos juízes ensandecidos.

Descobra o manto que escondeu o tempo

e a vida que se foi para o abismo.

O mundo se perde no pequeno caos da arrogância,

deixa-se levar pelas formas das mercadorias.

Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul

e espere os anjos que estão voltando do paraíso.

No quarto estreito Freud arma seu divã cinza,

há padecimentos e tonturas no corpo que envelhece.

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>