Tempo de levitação

Guardo os mistérios dos amores perdidos,

como os anjos cuidam dos segredos dos deuses.

Há tempos escondidos na vida corrida,

há nostalgias desprezadas pelas amarguras.

Conto a história envolvida com o paraíso,

como um delírio que descobriu um encanto.

Há mitos apaixonados pela beleza de Vênus

há não-lugares quietos no inferno das ilusões.

Não revele o espelho da imagem do eterno vadio,

deixa a palavra vestir-se com a magia do adeus,

iluminando o cais esquecido das navegações de Ulisses.

 

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • NOGUEIRA NETTO disse:

    Emaranhando os segredos
    Na teia do sentimento
    Eu comparo o tempo às folhas
    Nas coordenadas do vento
    Achadas pelo acaso
    Nas mãos do esquecimento
    (Nogueira Netto)

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>