Archive for junho \28\UTC 2017

Julgar: o poder opressor da notícia veloz




  Vivemos contando a nossa vida e falando da vida dos outros. Há inúmeros meios de comunicação. A tecnologia abriu espaço para velocidade. Todos querem novidades. Sentem-se motivados pelas fofocas gerais. Há uma certa perversão em escutar insucessos, em curtir escândalos, em vibrar com tragédias alheias. A generosidade nunca existiu de maneira plena. Somos animais […]




Share Read the rest of this entry »

Descole-se: os anjos usam motos velozes




Confiar nas utopias se tornou uma crença, pois os lutadores estão caindo na lona. Proclamaram-se revoluções, refizeram-se liberdades, esconderam-se violências. A chave da porta principal está perdida. A sociedade aumenta sua população sem encontrar regências harmoniosas para sua administração. Sacudiram os sentimentos no ar, em nome de razões ditas esclarecedoras. Os sistemas se implantaram buscando […]




Share Read the rest of this entry »

Freud: memórias,lembranças,esquecimentos




Lembro-me de tanta coisa que seria impossível nomeá-las. Tenho recordações preciosas que alimentam minha vontade de viver. Há época em que o riso é solto, tudo corre para o mar, sem constrangimentos. Mas não esqueçamos dos infortúnios. Nos momentos mais eufóricos aparecem, às vezes, descontroles. Não dá construir a vida sem contradições. O erro não […]




Share Read the rest of this entry »

Anjo azul: existências




Há uma anjo azul no telhado da esquina. Sente-se abandonado, busca afeto de um paraíso esquecido. Há pessoas perdidas na avenida central, correm desesperadas com medo dos mendigos. Há criança esfomeado na rua sem saídas, desencontrada com a vida, pede brinquedos. Há amores vazio, celebrados inutilmente, com festas brilhantes no motel decadente. Há mentira montada […]




Share Read the rest of this entry »

A política: lugar de desgoverno sem fim?




A confusão se amplia. Muito choro, muitas velas. Não há como ser ausente às tantas idas e vindas da história. Existe quem exija objetividade e segue mandamentos cartesianos. A justiça se torna a letra exata, ditada pelas inteligências supremas. Desconfio. O que menos sobrevive é a certeza. A sociedade está dividida e repleta de análises […]




Share Read the rest of this entry »

Octavio Paz: a palavra é nua




  Num país em que o presidente sofre pressões inusitadas, os políticos são denunciados, o cinismo ganha corpo no cotidiano, a negligência assume lugar de destaque ficamos tontos com os sensacionalismos contínuos. As dificuldades financeiras da imprensa tornam os escândalos o cerne do noticiário. Fermenta-se um jogo infernal de poderes malditos. As controvérsias se multiplicam […]




Share Read the rest of this entry »

Tempo de levitação




Guardo os mistérios dos amores perdidos, como os anjos cuidam dos segredos dos deuses. Há tempos escondidos na vida corrida, há nostalgias desprezadas pelas amarguras. Conto a história envolvida com o paraíso, como um delírio que descobriu um encanto. Há mitos apaixonados pela beleza de Vênus há não-lugares quietos no inferno das ilusões. Não revele o […]




Share Read the rest of this entry »

As leituras da história: tolerâncias e dogmas




O mundo do conhecimento pode não ter muros. As portas se abrem, Há diversidades juntas com concorrências. Não vamos desenhar ingenuidades. A ciência continua produzindo poderes, alguns arrogantes e cheios de dogmas. Parece estranho, mas as controvérsias não deveriam causar intrigas. Seria interessante que elas abrissem diálogos. Não somos torres inabaláveis, nem a solidariedade é […]




Share Read the rest of this entry »

Doria: a cracolândia, a política, a controvérsia




  As notícias ganham espaços movidas pelas curiosidades. Nem todos se ligam ao seu conteúdo. Apostam no sensacionalismo. Surgem os preconceitos, as violências, as amarguras. Observe a questão da cracolândia. Um inferno, na capital mais rica do Brasil, que assusta e comove. Ela não é só movimentada pela pobreza ou astúcia dos traficantes. Mostra que […]




Share Read the rest of this entry »

A água, o mundo, o vazio




As águas correm fazendo caminhos, e não há certezas de sonhos, mas dúvidas que navegam soltas. O mundo parece viver um delírio fechado, como uma esquizofrenia derrotada e sem fim. A vida não se alimenta, está faminta e sufocada. Cada deus escolhe sua verdade e chora seus desacertos. Há demônios cínicos que se guardam em […]




Share Read the rest of this entry »