Archive for julho de 2018

Quem se lembra dos Estados Unidos nos anos 1960?

Sou atento , não fico viajando nas coisas do passado de forma fantasiosa. Mas há décadas que me fascinam. Não cesso de retomá-las e sentir a sociedade pulsando. Nada está encerrado, a história não morreu e o mundo se balança. No entanto, o pessimismo é grande. Volto para os anos 1960 que tanto admiro. A […]

Read the rest of this entry »

Não perca o ritmo da narrativa histórica

  É importante  visitar as fontes. O historiador nunca deve desprezá-las. Visitar o passado traz um diálogo reflexivo com as dúvidas do presente. Esquecimentos podem ser fatais e o jogo da vida pede movimento. O historiador  cuida das incertezas e não deve  se ligar nas tentativas de determinismo. Observe o cotidiano. Não há uma linearidade, […]

Read the rest of this entry »

A aldeia global gira a solidão

    A sociedade gosta das novidades. Não aprofunda a razão da inquietação constante. Não observa a superficialidade do mundo das mercadorias. Passeia pela rua com medo da violência e se refugia na lojas para se distrair e sonhar com o consumo. O cotidiano é melancólico, porque há muitas permanência e poucas ousadias. As novidade […]

Read the rest of this entry »

O jogo ensaiado das alianças políticas

    A escalação de um time de futebol revela disputas e ascensão de ídolos. Promove debates ferrenhos e troca de insultos. Criam-se facções, torcidas organizadas. São as paixões e as agonias do cotidiano se misturando. Uma confusão já conhecida. Mas observe as eleições no Brasil. Elas estão repletas de instabilidades. Parecem um grande negócio […]

Read the rest of this entry »

Nas metáforas de Kafka: o humano de muitas formas

Quem se prende no homogêneo esgota a imaginação. O sossego é sempre passageiro. A vida contemporânea pede inquietação. Há mistura de formas, o invisível atiça a subjetividade e os dias ganham uma velocidade inesperada. Nem todos percebem. Daí, a história possuir atmosfera de acaso, mas não assombrar os apáticos. Há quem se debruce sobre o […]

Read the rest of this entry »

Os objetos dialogam com a vida

  Inventamos muita coisa. A luta para cobrir a lacuna é imensa. A cultura é movimento. Vai e volta, gosta de desafios. Ocorrem violências, mas também  seduções que encantam, mudanças que mostram inteligências e ousadias. Não há como fechar previsões. Os objetos nos cercam, convivem com nossa aflições, tornam-se companheiros do cotidiano. Criam-se relações afetivas. […]

Read the rest of this entry »

A política é trem de carga com peso extra?

  Nunca vi tanta facilidade para mudar de lado. Será que o pragmatismo é o pai de todos os males? Não tenho resposta pronta. Sei que a sociedade capitalista é o reino das compras e das armadilhas. Os políticos gostam dessa manobras. Querem privilégio. Há rara exceções. Temer conversa com Cunha. Renan diz apoiar Lula. […]

Read the rest of this entry »

Colonizar é o feitiço de cada dia

      Dizem que tudo tem sua época. Não sei. Vejo muitas repetições na história. Muda-se a roupa, mas o corpo continua o mesmo. Houve colonizações gigantescas. A Espanha assassinou muita gente. Portugal não perdeu tempo na escravização e divulgação do catolicismo mais conservador. E os imperialismos mais agressivos? Nem se esqueça da União […]

Read the rest of this entry »

Quais são as medidas da intolerância e da máscara?

  A sociabilidade sofre ameaças quando as raivas se expandem e multiplicam inimigos. As tensões são irritantes. Ataca-se como uma diversão. As redes sociais garantem anonimatos. Um esconderijo perfeito para quem gosta da agressividade ou se encontra tonto com suas escolhas. Fez greves no passado, acusou o liberalismo, prometeu manter-se socialista e , depois, desiste […]

Read the rest of this entry »

A solidão não silencia, transcende

  Há dias de recolhimento. A cidade parece um deserto. Poucos ruídos, gente com sono, sossegos passageiros. O sentimento de solidão se institui e dialoga com passados. Surgem lembranças. Observo que o tempo não poupa imagens. Não há sequência definidas, nem planejamentos conscientes. Tudo dialoga sem testemunhar milagres. Faz bem, mas mostra como o movimento […]

Read the rest of this entry »