Archive for dezembro de 2018

A afetividade confronta-se com a mercadoria

Tempo veloz. Não sei o que as pessoas pensam da corrida no final de ano. O festival de compras e presentes se estende até pelas calçadas. Poucos ficam indiferentes. É preciso acionar o desejo, juntar o ânimo e celebrar o que a sociedade dominante ordena. Nada de muitas especulações, pois a figura de Jesus está […]

Read the rest of this entry »

Quem desconfia da lucidez programada?

  As relações de poder não podem ficar ausentes da sociedade. O paraíso é uma fantasia, pois as disputas  atiçam violências. Elas mudam suas formas. Marx destacava as lutas de classes, Mussolini queria corporações opressoras, a China busca espaços imperialistas. Quem define os limites dos poderes evitam certos descontroles. No mundo ,armado pelo autoritarismo, tensões […]

Read the rest of this entry »

A pressa digita as aflições nos celulares

  É comum o apego pelos celulares. Eles resolvem questões, são mágicos, provocam delírios. As crianças se divertem e manipulam suas fantasias. Não se pode destruir os sentidos de renovação. Quebra galhos imensos, torna idiotas gênios, ajuda a ganhar eleições e buscar amores perdidos. Quem não gosta de uma máquina tão astuciosa? E o outro […]

Read the rest of this entry »

A violência é histórica e expande-se

  Muitos mitos retratam violências fundantes. Nem sempre, significam uma renovação para derrubar preconceitos ou refazer práticas sociais generosas. A sociedade sonha com paraísos, mas convive com artimanhas imperiosas. Há fomes frequentes, desde os tempos mais remotos. Grupos disputam espaços como quadrilhas. Não há inocências angelicais predominando a história. Muitas religiões defendem vinganças, acumulam patrimônios, […]

Read the rest of this entry »

As festas : inquietações, dúvidas, desfazeres

  A sociedade não dispensa rituais. Alguns expressam tradições e provocam nostalgias. A vida precisa de novidades, não pode cair em armadilhas sombrias e definitivas, No tempo das tecnologias sofisticados, as festas também se apresentam e firmam rituais. O consumo comanda as alegrias mesmo que sejam passageiras. Há confraternizações que lembram momentos de afetos. Os […]

Read the rest of this entry »

Nas ondas de paraísos descartáveis e de neuroses cotidianas

  Há reflexões que tentam salvar os chamados dos capitais e das maldades perenes. Os iluministas pensaram em salvações racionalistas. Não deram certo. Conhecer não significa necessariamente  fixar compromisso. Quem não sabe que existem abandono e exploração? Sempre surge alguém que justifica perdas e admite o discurso da servidão voluntária. Não só as religiões preparam […]

Read the rest of this entry »

A rebeldia tem moradias não parisienses

  Há retornos como dizem os saudosos. Muitos liberais festejam a possibilidade de vencer a chamada esquerda e partir para soltar de vez a economia. Cá está Guedes com sede avassaladora. Mas há contrastes. A Argentina não anda bem e não consegue resolver questões esportivas. Na França, surgem ataques ao governo, choques com a polícia, […]

Read the rest of this entry »

O ensino da história: complexidades fabricadas

  Ensinar sem educar é uma falta de sensibilidade cruel. Não adianta acumular datas. descrever batalhas e entrar nas fofocas de figuras ditas ilustres. É preciso que a história se amplie e toque na vida. As palavras se aproximam dos momentos da cada um, quando fugimos dos efeitos didáticos e conquistamos o mundo da reflexão. […]

Read the rest of this entry »

O capitalismo possui muitos disfarces

    Quem se liga nas astúcias da sociedade deve desconfiar das superficialidades. Há quem não observe a globalização aumentar sua expansão econômica. Isso cria espaços de lutas, de manipulações frequentes. Nem todos querem sair da sua quietude e socializar as riquezas. Inocentam o capitalismo de tudo e culpa a falta de competência das pessoas. […]

Read the rest of this entry »

O amor é a possibilidade da salvação ou da ilusão perfeita?

  Tudo tem uma história. Não é preciso ser sábio, para observar que há mudanças. O olhar de cada um possui cores singulares. As cegueiras existem, como os traumas de infâncias, as intrigas afetivas, as famílias esfarrapadas pelas dores. Ninguém, porém, deixa de falar no amor. Adão e Eva já estavam atentos. Zeus gostava de […]

Read the rest of this entry »