Archive for abril de 2019

A fragmentação desfaz a solidariedade

    Multiplicaram-se as culturas. As diferenças não cederam nem trouxeram possibilidades de trocas mais profundas.Há disputas frequentes, com violências doentias. Não se cura a inveja, tampouco se cuida de olhar os outros e verificar o aumento das suas necessidades. Não há negar que tecnologias ajudam a reinventar espaços e cortejar afetos. Mas as crueldades […]

Read the rest of this entry »

O inferno são os outros?

  A convivência é fundamental. Alimenta a  história, traz aprendizagens.Seria impossível haver uma solidão inatacável. A inquietude nos torna seres humanos envolvidos  por aventuras. Ficar escondido mostra que a covardia impede a invenção e o ânimo de criar as sociabilidades. Não dá para apagar os espelhos. Como deixar de olhar para os olhos dos outros? […]

Read the rest of this entry »

O fogo é do mundo?

  A perplexidade assusta cotidianamente.  Circulam coisas doloridas e perversas. O sensacionalismo corta , muitas vezes, a crítica e a solidariedade. A miséria habita regiões imensas. Come-se barro, as epidemias  vão e voltam. A mídia, porém, seleciona as notícias com preciosismo que dê retorno aos investimentos. Os  jornais não estão numa situação agradável. Há falências […]

Read the rest of this entry »

As memórias assanham dores ou escondem trapaças?

  As interpretações históricas atiçam reflexões. Não são uniformes.  Multiplicam as fantasias ou requerem cuidados com a objetividade. Um debate complexo que nos remete a muitas armadilhas. Quem consegue abraçar os sentimentos que andam pelos nossos corações? Quem critica as ações totalitárias? Quem celebra as rebeldias como encantamentos superiores? Não há como definir as certezas […]

Read the rest of this entry »

A sensibilidade encurralada

    Tudo se explica.  Muitas informações correm soltas, trazendo novidades. Não importa o que elas conseguem dizer. As conversas inquietam, mas mostram pouco afeição pela solidariedade. Portanto, os argumentos vazio nos deixam perplexos, quando reagimos diante de tantos desenganos. Mas é preciso não sacudir tudo em cima de pessoas. Temos que  construir uma leitura […]

Read the rest of this entry »

As escritas das histórias, os ritmos do impossível

    A escrita tem um ritmo. Não pense que a palavra não dança. Imagine. Ela está sempre viva, depende  dos diálogos de quem a lê. É preciso  não celebrar apatias quando as histórias estão sendo contadas. Quem se esconde, apaga o fogo da palavra. Portanto, é um erro desprezar seu movimento coletivo. Visitar Calvino, […]

Read the rest of this entry »

As disputas acirradas: tensões e deboches

    Quem acenava com uma sociedade organizada com cuidados solidários, deve estar frustrado. Aqueles ideais iluministas, aquelas críticas aos genocídios, as utopias tão cantadas  por suas generosidades se encontram em estágio terminal. Os elogios ao desenvolvimento tecnológico não compensam os desencontros e os deboches permanentes. Planeja-se o desmanche. A abertura  para o diálogo é […]

Read the rest of this entry »

História:A narrativa escorregadia do afeto

  A historia  possui suas tradições seculares. Ela é contada seguindo certas regras que satisfazem os vencedores e distraem. Destacam-se as grande figuras, cheias de pompas e despreza o cotidiano. Assim se vestem os chamados livros didáticos. É claro que há exceções, porém os privilegiados são contemplados com elogios. Perdem-se momentos de rebeldia e se […]

Read the rest of this entry »

Os olhares ernestianos: quem se habilita?

    O mundo contemporâneo produziu diversidades incríveis. O século XX foi pesado, pois a modernidade não abriu a porta para as utopias. Pensou o absoluto sombrio, não dispensou o totalitarismo. Lá estavam Stalin e Hitler, o genocídio atingindo milhões. Houve guerras e tenologias traiçoeiras.Foi um desencanto, apesar de 68, do movimento hippie, das teorias […]

Read the rest of this entry »

Todorov: o toque da beleza e da transcendência

Todorov enfrentou um desafio. Quis, talvez, procurar o sentido das suas experiências e narrar o seu passado  entrelaçado nas aventuras da arte. Contemplou o mundo com um cuidado precioso. Não elegeu o lugar comum, nem sacralizou a imaginação. Buscou-se em vários  espelhos, observou a diversidade e a relação forte com a vida de cada um. […]

Read the rest of this entry »