Archive for dezembro de 2019

O mundo se olha e se espanta

Tantas são as expectativas que os espelhos se tornam escassos. Os olhares se multiplicam de forma acelerada. Cada dia é um dia e não dá para confirmar calendários. As incertezas nos visitam. Os discursos buscam misturar complexidades e mudam de tom com aspereza ou sensibilidade inesperadas. O passado aparece e lembra que houve hecatombes, pestes, […]

Read the rest of this entry »

O encanto se reinventa

Cada vida não se esconde nos abismos das divindades atônitas, há sempre surpresas que desmontam as aventuras predestinadas. O mundo não se cansa de inventar geografias e territórios desertos e as fronteiras exigem imaginação e saltos de artistas decadentes. Não se sabe a largura dos caminhos, nem os tamanhos das pedras agudas na brecha do […]

Read the rest of this entry »

Disfarces do consumo, afetos desfeitos

Os festejos trazem o gosto de amarguras escondidas. A sociedade se movimenta sem saber que perdeu solidariedades e estraga sua imaginação na busca de consumos. Simula confraternização, visita lojas, se distrai com fogos, inventa amigos, passeia por shoppings desenhando paraísos. Uma fábrica de disfarces multiplica as astúcias do final de ano. Há quem aposte que […]

Read the rest of this entry »

Octavio Paz e a palavra

não canse a escrita com palavras sem sentimentos, não formule códigos de destinos com a nudez de calendário burocrático, consulte o poeta e se amplie nas metáforas encantadas e incertas, escreva com a magia de Octavio que refaz o mundo e desafia os mitos, não se amesquinhe nas teorias dos saberes planejados e acadêmicos, prefira […]

Read the rest of this entry »

Quem não vê as milícias agindo?

Nas vidas que se seguem e nos cantos que pertencem a cada um, a história não se cansa de movimentar notícias e explorar perplexidades. A sociedade se desmancha, mas muitos não observam que a violência possui várias formas de ataque. Não se ligam que os preconceitos continuam ativos. Adormecem em egoísmos imensos. No Brasil, a […]

Read the rest of this entry »

Vagas vidas

       Vagas vidas o meio do mundoo meio-diao medo do dia é preciso que eu viva para que se lembrem de mim lembrem-se das travessias e das pedras que alimentaram os desejos madrugadores e as surpresas tardiaslembrem-se das vastidões do passado mítico para que o tempo da saudade não se abandone no desprezolembrem-se do descontrole, […]

Read the rest of this entry »

As histórias se cruzam

Minha história tem singularidades. Nem tudo me toca, mas há coisas que batem nas agonias do mundo. Reações diferentes, amores desiguais, afetos fluentes giram em torno de momentos que passam com ritmos diferentes. O mundo é vasto e a heterogeneidade é imensa. Há estranhamentos. Quem já escutou notícias de intrigas sem soluções? A quantidade de […]

Read the rest of this entry »

O humanismo se corrói?

O homem é um animal complexo. Muitas teorias tentam defini-lo. Algumas não conseguem sobreviver. E as utopias cheias de salvações e deuses poderosos? Organizam-se relações sociais que prometem esticar a riqueza e dividi-la de forma equilibrada. Vale a farsa. O jogo de poderes termina destroçando sonhos, quebrando ecologias, afirmando autoritarismos. As frustrações se multiplicam, mesmo […]

Read the rest of this entry »

Leituras e desconexões

Não sei ler exames. Leio palavras e me inquieto na sua intimidade. O mundo exige diversidades. Não se pode cair numa única interpretação, mas também não há como codificar o absoluto. O examinador quer, muitas vezes, a proximidade com a certeza. Sente-se um salvador. Fugir das dúvidas desafia. Para mim, é impossível. Sei que nem […]

Read the rest of this entry »

A história é impaciente

Construir um calendário para disciplinar a história é impossível. Há datas que ganham significados e memórias que lembram desfazeres.Nada é limpo, sem mistura. O reino da confusão sempre se alastra. Os europeus invadiram a América. Massacraram culturas, inventaram colonizações, impuseram valores em nome de divindades poderosas. A sociedade continua girando nas rodas da opressão. Há […]

Read the rest of this entry »