Archive for março de 2020

Os cortes do eu e da agonia

A história nunca foi um linha reta. Há quem tente criar fantasias permanentes com se existisse um destino. A história é possibilidade, inquieta, traz surpresas, mete medos e reajustes. É uma construção com marcas de incertezas. Portanto, não adianta fixações, pois o acaso invade e a globalização forja temores antes inusitados. Não imagine o eu […]

Read the rest of this entry »

Jair trama e busca companheiros

A situação está confusa. Os ruídos andam juntos com as hipocrisias. Quem sabe a moradia dos alicerces de Jair? Consegue apoio brutal de Carlos que fermenta desmantelo. Jair desconhece tanta coisa que brinca com a verdade e massacra com um jogo nada saudável.A sua equipe é versátil. Gosta de atropelamentos. Empurra. Grita. Finge. Veste-se das […]

Read the rest of this entry »

Atos do cotidiano torto

Não sabia qual era o dia de hoje. Fico perplexo com a avassaladora viagem do tempo. A pós~modernidade anunciava mudanças, derrubava preconceitos, mas colocava temores. Isso criava suspeitas A imaginação subia e os desenganos não deixavam de marcar os sentimentos. A globalização se tornou quase um suicídio, pois o pânico bate na porta. O desconhecido […]

Read the rest of this entry »

A narrativa dos sustos

A falta existe, desde os tempos de inauguração do planeta terra. Ninguém conhece a perfeição. A incompletude faz parte da história, estimula a cultura, atiça a invenção. Nem tudo é animador. Os trapezistas também caem,os falsos profetas não deixam de existir. Tudo isso trai a esperança, nos coloca isolados e descola o sentimento do coração […]

Read the rest of this entry »

O afeto e a temeridade

Não se dá abraço. A ordem é a distância. O corpo se sente ameaçado, não conhece as estradas e se isola.Quem se abala, quem testemunha os temores? Não há visitas, o vizinho corre de qualquer cumprimento. Está imaginando uma ficção ou um romance de assombrações? O mundo se enche de aridez, parece que receberá uma […]

Read the rest of this entry »

A sociedade atordoada

Há um peso que sacode as emoções. As explicações não conseguem esgotar as dúvidas O cansaço e o temor são gerais. Depois de tantos cinismos, violências, milícias, a sociedade se depara com dores fortes e abismos profundos. O tenebroso assombra, o dia se torna torturante, acompanhado por esquisitos pensamentos e ameaças de declínio da saúde. […]

Read the rest of this entry »

O mundo caiu?

As intrigas e as vaidades se aceleram e o caos se instala na história. Uma energia negativa assume o mundo. Há pânico.É preciso sacudir a memória. Quantas epidemias já aconteceram, quantas religiões enganaram os inocentes, quantos autoritarismo oprimiram, quantos refugiados sofrem cotidianamente? Não adianta criar messianismos, nem adormecer em hipocrisias.As elites estão sentido o peso […]

Read the rest of this entry »

Os delírios perigosos

A rapidez se espalha. Há uma confusão que inquieta e notícias que confundem. Os sustos são constantes.Falam no apocalipse , há fugas, crises globalizadas, conspirações. Jair continua andando nas estrada da vaidade. Possui seguidores que parecem enfeitiçados. Não há medida para suas declarações.Sente-se um mito numa onda de esquizofrenias. Desmonta. É claro que existe pânico. […]

Read the rest of this entry »

Fatalidades tardias

não imagine uma história que pareça única nem sonhe um amor desfeito no bar central. conte as palavras riscando as pedras azuis dos monumentos vazios e abandonados . fuja como quem ri de uma hiena vadia. sinta que o corpo pede uma abraço de lágrimas distraídas e não quer ser tomado pelo vírus assassino. escreva […]

Read the rest of this entry »

O espelho é o pânico

Contemplar o azul no horizonte toca no coração. O mundo se enche de luz quando se inquieta o sentimento que aquece a solidariedade. O azul chama o canto dos pássaros, nos faz pensar no infinito e na possibilidade de desenhar um avesso alegre para celebrar as convivências. Mas nem tudo é azul. Há turbulências de […]

Read the rest of this entry »