Archive for julho de 2020

O perdão de cada dia

Escuto ruídos de um mundo acidentado, há dores inusitadas nos lamentos e nas raivas, e mistérios pesados na sua aflição. Não testemunho a permanência de um pessimismo cinza e ultrapassado, mas desconsagro desculpas de quem não mora na solidariedade. Poderia viver as aventuras fantasiosas de Ulisses, sem me desfazer das ondas violentas e das sereias […]

Read the rest of this entry »

As impaciências históricas

A história se tornou uma ciência, mas não deixou de conviver com as incertezas. Não poderia ser diferente.Analisar as relações sociais é compromisso de complexidade extrema. Como comparar as filosofias de Platão e Kant? Quem conseguiu colonizar os índios e provocar a escravidão sem praticar a violência? Há os que justificam os desmandos e traçam […]

Read the rest of this entry »

Tereza, a estrela das cores

O tempo volta.Fico em recordações. Começava minha vida de professor na UFPE. Muito jovem, no meio de uma turma de pessoas experientes. Grande aprendizagem. Estava caminhando, nas primeiras astúcias. Faz, 37 anos.Tereza estava na turma, sempre afetiva e curtia as aulas. Havia uma convivência de passados e de lutas. A marca da ditadura regia a […]

Read the rest of this entry »

Conte as estrelas e as lágrimas

O tempo passa.Imaginavam-se grandes mudanças. Talvez uma estrada para perfeição. Mas as permanências desviam aqueles sonhos de eliminar os desgovernos. As corrupções se sucedem, a luta pela riqueza não desaparece, o progresso se fixa numa ficção tola. O tempo arrastando memórias e nostalgias. Nem tudo volta para remover sentimentos carregados. As lágrimas limpam dores e […]

Read the rest of this entry »

As multiplicidades do mundo

Talvez, tenha havido um mundo de águas limpas, com pomares sedutores. Depois, apareceram deuses gananciosos em busca de tesouros. Queriam inventar um ser que surgisse com lucidez para se multiplicar e criar imagens contagiantes.Mas falam também de Adão e sua mania por frutas vermelhas. Quem saber se não era o sucessor dos deuses.E a culpa? […]

Read the rest of this entry »

Sartre e Simone:A tristeza não se ausenta

A história está rodeada de sentimentos. Como somos carentes, lembrando de Simone de Beauvoir, falta alguma coisa para que se passe por todas as brechas. Não dá para firmar apatias, nem isolar o mundo das divergências e multiplicidades desejos. O outro é fundamental, sobretudo para fechar a porta das ausências. Não nascemos prontos, infalíveis. A […]

Read the rest of this entry »

O sinal fechado ou mascarado?

Quem fez da sociedade um espaço da liberdade, escorregou.Muitas lutas, falas equivocadas pelos interesses e ilusões com utopias passadas. Ninguém sabe o futuro e as inquietações são imensas. Não é sem razão que se busque curas, que as psicopatias se proliferem, que decepções apaguem promessas. Há brechas e desejos de exaltar saídas e firmar a […]

Read the rest of this entry »

Amanhã será outro dia?

Tenho excelentes lembranças dos festivais de música popular do século passado.Focarei na figura de Chico Buarque. São inesquecíveis o lirismo e a força do sentimento de cada canção de Chico. Gosto muito de Roda Viva que traduz as ambiguidade da vida.Elas revelam a incompletude humana, deixam ritmos belos que se estendem por cada época dos […]

Read the rest of this entry »

Contar a História, contar as histórias

As palavras são dançarinas.Não se aquietam, detestam as imobilidades. Vivem de pareceria com os poetas, amargam descontroles quando se limitam aos textos burocráticos. Não é simples. Escrevemos, estabelecemos códigos para os diálogos, desenhamos culturas que se espalham. Temos que contar histórias ou existe uma única História programada pelos poderes divinos? Nada disso seria justificado se […]

Read the rest of this entry »

O estrago das afetividades

O mundo se encontra numa inquietude imensa. Quer verdade, saídas, mas produz intrigas e ambições. Observe o comportamento de Jair. Muitas desconfianças e faz da mentira um mar da política miliciana. Há figuras que desgastam a intimidade de forma cínica. O valor é a grana, quando a sociedade adoece e se desampara. Trump não cessa […]

Read the rest of this entry »