A beleza é fundamental e histórica, seduz e mascara

      

Vinícius de Moraes disse que a beleza é fundamental. Nada contra o poeta que nem conhecia Angelina Jolie. Saudades de seus versos e da sua disposição para exaltar o amor. Sua atuação inspirada  merece citações constantes. Muitos discordam do seu romantismo ou mesmo dos seus dramas pessoais. Faz parte das escolhas e das objetividades que correm pela vida. Ninguém consegue o topo de forma absoluta. Tudo se balança, a questão é evitar o dualismo fechado e mesquinho.

A beleza é fundamental e histórica. Nem toda cultura possui apego pelas mesmas formas. Mudam os desenhos e as cartografias. Reanimam-se. A arte renascentista tinha um concepção que dialogava com a grega. As pinturas de Picasso trazem renovações incríveis. A ideia de harmonia sofre suas mudanças. Pensemos nas vanguradas do século XX. Os surrealistas buscando a subjetividade e desfiando a razão. Na música, Debussy e Satie desafiando o classicismo e criando sensibilidades. Há sustos, rejeições, elogios. O difícil é o gostar universal, sem críticas.

A beleza não mora só na arte. Ela se espalha no cotidiano e nas atividades de cada um. Quem assistiu a Copa do Mundo de 1970, viu a açãoa de craques, fica perplexo com outras Copas como a de 1994? O esporte tem sua estética. As Olimpíadas possuem cenas inesquecíveis. Há belezas nos gestos, nas palavras de comemoração, na defesa da ética e da fraternidade.É impossível nomeá-las com definições exatas. O importante é não se esconder da diversidade e não querer naturalizá-la. O social faz seus malabarismo. É inquieto e traça suas medidas.

No mundo contemporâneo, a volúpia consumista cuida de retomar, com destaque, a beleza, sem cerimômias ou limites. A indústria da diversão não perde tempo. Os filmes buscam artistas famosos, com seus charmes divulgados exaustivamente.Compõem o negócio. Milhões são investidos na construção de imagens que encantem e enfeitiçem. A bilheteria é tudo. Até a vilolência é tratada com requintes tecnológicos e as cores parecem mágicas. O esperteza da informática ajuda na montagem de situações antes impossíveis.

A beleza ganha, então, um espaço incomensurável. Não há limites claros, nem uma regra definitiva. Ela está no horror, no cinema, na sandália havaina, na embalagem do perfume, na capa do último livro de Paulo Coelho. Na seleção dos participantes do Big Brother, o cuidado com a forma dos candidatos está presente. A televisão vive como uma fábrica, tensa na construção de seus produtos, com receio de falhas e distrações.

O poeta tinha outras intenções com seus versos. A historicidade não pode, porém, ser negada. Entre uma década e outra, as relações se transformam, as nostalgias perturbam e os futurismos se propagam. As diferenças são muitas e as divergências não cessam de aceder debates. Tudo isso movimenta as tramas do capitalismo.

Lula sentiu, com sua equipe, o valor da imagem, quando conseguiu firmar-se como presidente da República. Há quem observe  os detalhes. Não custa olhar o que nos cerca. O cinemas continuam empolgando. Muitos, pessimistas, profetizam seu fracasso. Ele explora, com astúcia, os mitos envolventes da beleza. Não se perde na história.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

4 Comments »

 
  • Rosário disse:

    Caro Antonio,

    Leio seu blog diariamente e sempre me enleio em reflexões. A beleza de suas palavras são um convite à escrita. Por isso, penso na beleza dos gestos. Penso também na beleza da escrita e no como ela é poderosa, pois atravessa tempos e tempos. Ela é tatuagem na brancura do papel. Sem constrangimentos carrega palavras meio fora de moda, sugerindo novos usos, assombra noites e inunda desejos. A escrita trapaceia a morte e o esquecimento. É bela.

    Abraços

  • Rosário

    Sua escrita tem muita força e beleza. Merece toda admiração, pois você a traz dentro de si, com um fluir que segue, quase espontaneamente. Grato.
    abraços
    antonio rezende

  • allyson renan disse:

    “as feias que me desculpem,mas beleza é fundamental”.tal frase de vinicius de morais foi mal interpretada pela mídia que simplesmente criou o seu conceito de belo em detrimento do talento.Assim como santos dumont, esse esplêndido poeta certamente cairia em desgosto ao ver o incrível mal entendido verificado nessa bela citação.nos é que devemos desculpas a esse gênio da poesia,que tanto nos ensinou a apreciar a verdadeira beleza.aliás,belo texto.

  • Allyson

    A beleza comunica-se com a vida e traz energia. Ela se apresenta de várias forma. Isso é que vale, sem preconceitos.
    abs
    antonio paulo

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>