A busca de sempre

As perdas não esgotam as possibilidades,

o mundo está aberto para indefinições e retomadas.

Não há traçado, mas um inesperado que surpreende,

um ressurgir de magias em busca de mitos e de fantasias.

Cada época recolhe travessias, inventa futuros,

não sossega e não projeta o último perdão.

As mortes desanimam vidas inseguras,

as vidas recompõe as ansiedades soltas.

Tudo se resume a um suspiro que não revela agonias,

a memórias que ficaram enterradas no desengano sem data.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>