A depressão no cotidiano

Há muitas impressões que circulam como se fossem verdades irrefutáveis; O Brasil foi muito exaltado pela sua alegria, suas festas, sua cordialidade. Tornou-se comum até se negar a violência e acusar outras culturas. O Brasil parecia uma exceção num mundo carregado de conflitos. Mas a exploração continua, o descontrole social se afirma e as cidades vivem tensões constantes. No Carnaval, os ruídos surgem com máscaras e ritmos animados. Os interesses sacodem patrocínios e a grana corre solta. Quem se esquece das ações das milicias, dos moradores de rua, da precariedade da saúde? Será que ninguém se toca com os desgovernos ou com a concentração de privilégios? Portanto, tudo se inventa para forjar identidades e esconder desatenções.

Numa pesquisa divulgada, recentemente, dúvidas se firmaram. Será que o riso é fácil ou se manipula de foma assustadora? O índice de depressão, no Brasil, assusta e supera o de outros países. Inquietam-se os fabricadores de de sociologias fantasiosas. Não me surpreendo. Trabalho faz tempo com educação e observo comportamentos fugidios, medos, falta de expectativa profissional, afetividade desconfiada. Não é incomum enfrentar agressividades ou apatias permanentes. Fico perplexo. O desencantamento se amplia no meios de promessas de consumo nada saudáveis. Não é fácil assistir ao desmonte de valores, ao crescimento do desemprego, aos discursos com deboches e a escassez de solidariedade.O sossego não existe.

A depressão se estende e as dificuldade de contê-la é um desafio. Não adianta isolar a questão. O sistema exige desempenho, trabalho nos feriados, paga salários curtos, pune qualquer rebeldia elogia à servidão. Estimula-se o culto a bens materiais, as religiões ganham espaço par cobrar seus dízimos. A generosidade se apaga. Se a cultura da competição, da vitrine, da ambição se multiplica, a depressão não se vai. Há remédios, terapias, farmácias espalhadas pelas ruas, felicidades escondidas nas propagandas. Mas as perguntas mostram que os impasses são grandes. Como se desviar de solidões? Como encontrar outras travessias na construção de diálogos e aconchegos? Quem imagina para além da mesmice?

O Brasil passa por intrigas políticas perigosas. As polarizações criam fantasmas medonhos. a desconstrução é inegável, porém ela preserva interesses e consolida riquezas. A politica tergiversa, desmancha éticas, transforma-se num grande negócio. Abre-se o espaço para desesperança, para uma vida programada para mediocridade. Nota-se que as ações perversas são justificadas por ideais de progresso. A alegria é passageira e a hipocrisia traz intimidações e desprezos. Continuar apostando nos segredos de reformas autoritárias não é garantia de mudanças. As epidemias mudam e atacam com uma radicalidade cruel. A mente e o coração nessetam respirar e anular as descontroles.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>