A descontinuidade tardia e incessante

O espanto do dia contaminou as carências permanentes.

Não havia sol, nem  a persistência de animações soltas.

Parecia o dia de um falso juízo final escondido numa atmosfera satânica.

Os olhos abertas não distinguiam nada, nem compreendiam as cores que pintavam a perplexidade.

Cada um caminhava sem desenhar sonhos, nem pesadelos.

A vida dialogava com o limite e com o significado da palavra inutilizada e sem transcendência.

Não adiantavam julgamentos, nem dúvidas fugidias, apenas as profecias divertiam a mesmice soberana.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>