O pântano da dor desmancha

Imagem relacionada

 

Ninguém conhece uma história sem sofrimentos. A linearidade é apenas uma ficção tola, pois o coração não bate sempre no mesmo ritmo. Podemos imaginar paraísos, mas não há como negar  os desencontros e os limites. Somos animais sociais, existem cooperações, solidariedades. Insisto,porém, que a lógica capitalista é destrutiva. Ela estimula a  vaidade e o desdém pelo outro. Isso transtorna e mistura os valores. O mundo atravessa por estradas cheias de pedras. Há desenganos ferozes, risos de hienas mascaradas, disputas que multiplicam o mesquinho. Valem:   discurso do sucesso, o excesso na competição, as palavras de um zap traiçoeiro.

Não se alcançou o que os iluministas profetizam. O mundo vive guerras, desenvolve ruínas, monta espetáculos perversos. Quem  não observa as  provocações, o  desprezo, o  deboche? Tudo no  espaço dos sentimentos mais íntimos. As  idades afetivas estão obscuras. Os filhos de Jair balançam maldades e   gostam de levar vantagem. Não possuem  o andar da dignidade. Não se trata de  jogos  políticos, de ambições por cargos. Eles   exercitam o desfazer, a falta de sensibilidade. Parece estranho, porém os noticiários não negam as chamadas pegadinhas  da família Bolsonaro. Elogios a ditadores e agressividades festivas compõem um quadro sem  luz para quem  proclama a honra das famílias. O que significa?

As surpresas mostram os limites da sociabilidade. Muitos não percebem que há  práticas que arruínam. Se o ódio se expande as  epidemias do medonho não cessam. Desmontar sentimentos, conseguir adeptos, atiçar vulcões. Fica a marca do vazio. Alguém não se toca com as  lágrimas, alguém se acha senhor das ações. Desconhece o inesperado, porque desconhece as idas e  as vindas da história . O que se pretende estimulando o ressentimento, desqualificando os outros no anonimato das redes sociais? Freud tinha razões para afirmar o inconsciente e a agressividade. Quantas relações  há guardadas e prontas para explodir o individualismo?

Se o limite nos acompanha, temos que não sucumbir diante das suas amarguras. O absoluto aparece nos sonhos, porém as dores não se vão das histórias e os afetos atraem contrapontos. Negar a ambiguidade é trazer o mito como espelho indiscutível do humano. Ele é uma narrativa dos escorregões e  das possibilidades. Consagrar armadilhas para afundar os outros é ampliar  os abismos e desmanchar futuros. Os sentimentos denunciam comportamentos. A  saciedade governada pelo  incentivo à desigualdade não escapa de mergulhar no pântano. Não há vacina para quem se banha com as atmosferas perversas. Amanhã será outro dia de qual calendário?

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

5 Comments »

 
  • Anuska salsa disse:

    Maravilhoso!

  • Anuska salsa disse:

    Maravilhoso!!

  • Odilon disse:

    Mestre, como sempre muito eloquente.
    Tenho, há algum tempo chamado a atenção dos aprendizes sobre crença nos mitos de progresso e desenvolvimento, herdados do iluminismo! Na experiência cotidiana, está sendo desafiador, seguir com as utopias, que desejam um mundo com mais equidade.

  • Rivelynno Lins disse:

    … acredito que perguntar o que se ganha ao agredir, diminuir e zombar do outro é significativo demais, a resposta é assustadora. Ora, se ganha a presidência da república, se ganha o governo de um ou alguns estados brasileiros, se ganha um lugar no parlamento, no grupo de ministros que compõem o governo Bozo, se ganha poder e prestígio político. Estamos nos novos tempos do nosso tempo e as descontinuidades estão aí. O poder está nas mãos dos desabilitados com o manejo da administração pública, contudo, nas mãos de pessoas extremamente habilitadas em manejar e manipular o ódio como um sentimento comum importante na questão da representação pública. Refletir sobre os novos tempos do nosso tempo é por demais necessário, pois precisamos entender que há uma racionalidade na manipulação da violência que estar dando muito certo, é preciso agir com sabedoria para extermina-la ou ao menos amenizar os seus efeitos sobre os corpos de uma sociedade sem um projeto político de melhora social para tod@s, os tempos de decadência e competência intelectual estão aí. Como reagir aos seus danos?…

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>