A dúvida é magia

As memórias chegam e vão em busca de partidas que não tragam saudades,

porém não há como escapar das artimanhas das ausências e do peso de não ser único.

Desvendar a trilha é voltar no tempo, sem se fixar nas artificialidades do futuro,

nas astúcias das profecias que datam o juízo final e as idades dos demônios.

Não adianta desenhar o mapa, sem imaginar o território, a extensão do olhar, o corpo desfigurado.

Cada dúvida é uma pergunta que não se encerra, mas que carrega a magia da vida sem direção..

Não há como determinar a narrativa, sem pensar que existem 1001 noites.

No berço dos duendes  mora uma visão do paraíso e a forma de um enigma comum.

Conte a história do ontem, como se o instante  inundasse a  eternidade,

a gramática do sonho não contém limites, mas ousadias intermináveis.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>