A fuga nua

deixei que a força da linha curva me entortasse o corpo,

pulei pela janela para me livrar da agonia da memória

de um quarto escuro, estreito, abandonado, quase morto.

desfazia a vida na tristeza envelhecida e descontínua

queria a fuga, o mundo da rua, a nudez sem segredos.

as palavras parecem garantir os retornos das magias

mas os nomes padecem de sincronias comuns

e não conto a história anônima que foi vivida.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Canto da Boca disse:

    A memória, essa que nos constrói – e que nos destrói – visceralmente, tantas vezes; a memória como um corpo autônomo e que sai às ruas e se depara consigo, no espelho que é o outro, na história que assistimos, construímos e vivemos, mas que, queremos torná-la também anônima, um ato quase titãnico, nesses tempos de cultura mediática, de olhos que tudo veem, e de alguma necessidade de visibilidade (a emergência de outras vozes), imposta por esta nossa sociedade, e insaciedade de palco (estou generalizando)…
    Antonio Paulo, esse poema me prendeu aqui, reli-o tantas vezes, como se esse ato despertasse a necessidade do meu saber ancestral, o que eu sabia – se é que sabia -, muito antes, na explosão do Cosmos, na fundação do mundo, anterior à invenção do alfabeto e da escrita, quando aprendi a emitir algum som, o primeiro som.
    Como se me fosse imputado a tarefa de recuperar Mnemósine, Clio e Melpômene, ao mesmo tempo, todas em suas atribuições a me contarem os perigos dessa magina infinita que é viver.
    Reflexivo e belo como sempre!

  • Valda

    Seus comentários sempre animam. São reflexões que dialogam com os escritos e trazem muitas perguntas. Isso é bom. Convivências que nos mostram sensibilidades frequentes.Os poemas costumam mergulhar e você acompanha os mergulhos. Grato.
    abs
    antonio paulo

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>