A lógica do mercado dita ritmos históricos

 

Resultado de imagem para capitalismo

 

O capitalismo não nega que procura fortalecer a acumulação. A montagem das instituições visa facilitar armadilhas que prejudicam as maiorias. Nada é feito de forma muito explícita. Há muitos disfarces e o governo precisa de um discurso articulado para estimular ingenuidades. Elas circulam com ajuda de estruturas  de divulgação bem profissionalizadas. A grande imprensa embarca, várias vezes, em esquemas nada democráticos. Nem tudo são flores, pois brechas se formam e intrigas prevalecem. O capitalismo incentiva disputas, gosta de coveiros. Quer lucros e atiçar os ambiciosos. Portanto, as inquietações agudizam lutas e desadormecem apatias.

O Brasil vive momentos bastante inseguros. Jair não tem medidas.Está junto com a minoria querendo consolidar um capitalismo de crueldade sem igual. Para ele, não existem censuras que o calem. Consegue plateias. Apoia-se em crenças messiânicas, mas não é invulnerável. Sente que há abismo. As mentiras não se fixam para sempre. Destroem-se direitos, ameaça-se a educação. Jair possui aliados fortes. Parece ser parceiro de virtudes e se diz incompreendido. Enquanto mantiver seu jogo, não deixa de empurrar a sociedade para o caos contínuo.

Sem interrupções, o mundo gira também consagrando desigualdades. Os ritmos são diferentes. Não estamos na Inglaterra, nem na Suiça. Porém, a globalização multiplicou fantasias e expandiu guerras  econômicas assustadoras. Isso inquieta os donos do capital e desmonta estratégias antigas, valores tradicionais e acelera a conquista de tecnologias. O mercado se abre, reclama, mostra caminhos com interesses definidos para assegurar privilégios. Os países se digladiam exaltando soluções nada amigas. As desconfianças marcam  e reduzem pactos.

No Brasil, a tensão é grande. Temos um Congresso com práticas pouco saudáveis. O capitalismo ensaia reformas que podem significar mais garantias para quem acumula suas riquezas. Surgem delações, brigas midiáticas, golpes cotidianos. É incrível como grupos se afirmam neutros como anjos vindos do infinito. Esperam a hora de afiar as garras e movimentar sua falas astuciosas. Portanto, a fragmentação acompanha a rapidez das decisões. Quem controla não cede e inventa artimanhas. Buscam-se santos, massificações, esconder as falcatruas. As luzes se apagaram, contudo as armas estão engatilhadas.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • Rivelynno Lins disse:

    …”as armas estão engatilhadas”, as tensões políticas, sociais, econômicas e culturais estão aí. Milhares de narrativas são produzidas para apontar os caminhos da salvação, o que é verdade e o que é mentira? Para tudo há uma explicação, cada um escolhe a que melhor lhe convir. E esta conveniência, muitas vezes, é fortalecida pelos meios de comunicação tradicionais, principalmente, as emissoras públicas de televisão, elas simulam e mentem sobre as informações dadas, manipulam dados, silenciam e inviabilizam fatos, exageram e super valorizam outros. O cidadão com uma melhor percepção sobre este processo enganador sente os efeitos da sua própria impotência, tenta argumentar, mobilizar outros corpos ainda conformados a agirem, mas não consegue. Sua dor, seu desespero, sua falta de esperança passam a ser compartilhados nas redes sociais, seus sonhos parecem revigorem em narrativas digitais, onde a indignação é super excitada, não precisa de nenhum Viagra para se mostrar em estado de priapismo constante, mas não consegue chegar nas massas, não ultrapassa fronteiras, não produz resultados imediatos e não convulsiona corpos revoltosos a reescreverem uma nova ordem social, onde o sensato, o delicado, o digno e o ético pudessem ser novamente valorizados…

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>