A morada dos homens

A morada abraça a história de cada um com uma ternura

quieta e desassombrada.

Ela é como um cais, oceânico e amoroso

que guarda os cheiros das travessias dos seus corações.

A morada de cada homem esconde o que se desfaria no mundo

de fora, silencia os ruídos incômodos do dia,

desfigura os fantasmas dos pesadelos da noite.

A morada de cada homem não encobre seu corpo,

mas o torna invisível quando a dor o adormece.

Sabe que a medida da vida é apenas um sopro sem asas.

 

 

 

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Emanoel Cunha disse:

    As passagens da vida são cheias de segredos e mistérios.
    Ouvimos e aprendemos por toda uma cultura quais as origens das coisas, só passamos a duvidar dessas historias a partir do momento que interpretamos suas definições mediante ao nosso processo de amadurecimento intelectual.

    Por isso nada é definitivo os fatos devem ser questionado e postos em várias dimensões para o homem mediar-se pelos caminhos que são ocultados ao passo que sua invisibilidade são mediadas por várias instâncias e suas trajetórias o torna-o conhecedor de si próprio.

    Abs

  • Emanoel

    Viver a cultura é estar na dúvida, compreender os limites.O mundo é vasto, requer sagacidade e olhar profundo.
    abs
    antonio

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>