A morte dos deuses

as sombras perdem-se nos desenhos dos enigmas

não se sabe o significado que seduz seus movimentos.

cada espelho das suas imagens perturba as identidades visíveis.

não há tempo, nem há espaço para decifrar as histórias,

as sombras e as luzes fantasiam a vida com sinais ambíguos e

o caminho não é o destino, nem a curva a arquitetura do abismo.

no mapa astral do sonho estão os mitos e as verdades esquecidas.

cada encanto tem o cansaço de quem espera o juízo final e a culpa

permanente de quem se interrogou no paraíso da morte dos deuses.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>