A sociedade administrada

Tudo parece um encantamento de novidades e magias tecnológica. Difícil é escolher. Muitas opções que pagam ilusões ou mascaram enganos. A sociedade se arma para inquietar, mas também triturar ingenuidades e quebrar valores. É preciso abrir os olhos e não se enfeitiçar. Esquecer a complexidade dos planejamentos, as astúcias dos senhores do poder. O jogo da mídia servil é desgastante para quem não despreza o afeto. O cuidado chama a crítica e a compreensão levanta dúvidas. Não há respostas firmes, as vacilações não se vão e a vida pede paciência e sabedoria.

O mundo do trabalho é massacrante. A busca da grana deixa sequelas nos sentimentos, enconde desejos de convivências solidárias e traz desconfianças. Quem se encontra no meio da berlinda? Quem pode significar nas suas imaginações sem se perder nas tramas do consumo? Ler o mundo é um desafio. Há inúmeras interpretações, as cores se inventam e palavras voam. Portanto, a travessia é instável e os governos usam de manipulações frequentes. Combatem rebeldias, administram com sutilezas os desejos e as ousadias.

Analise as afirmações de maio de 1968 ou mergulhe nas reflexões de Camus. Não faltam autores que acenam para a dureza das manobras capitalistas. Marcuse lança questões sobre o prazer, Adorno coloca a nudez da massificação, Marx já lembrava a força do valor de troca. Não fique distante de quem ajuda a mostrar a incompletude. A onipotência não alivia, nem existe. A cultura possui alimentos e perturbações. Por que dispensar as ambiguidades e apostar na salvações? Política e religião se esticam para pescar sua fragilidade e desenhar as mediocridades mais levianas?

A liberdade é mito desqualificado, quando se abastece de sonhos meramente materiais e movimenta-se em torno de progressos e ordens mesquinhas. Se a sociedade não se dá contas da ausência do absoluto cai em abismos. O perigo é se cercar de anúncios e discursos que anulam o lixo e acenam com riqueza vazias. A dor não é uma mistificação e o luxo atrai com suas promessas ditas fascinantes. A história é sempre uma construção e as utopias devem abrir o coração para arquitetar outras sociabilidades. Ser administrado é um caminho para melancolia. Você curte a imbecilização ou prefere turbulências reanimadoras?

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • Rivelynno Lins disse:

    …como num mar revolto estamos no mesmo barco. A tripulação é muito heterogênea e não se entende sobre os rumos a seguir, o coletivo deseja chegar em terras firmes, mas pode se perder se não escolher a direção correta. Os grupos se dividem e lutam para impor o caminho ideológico supostamente mais sensato. O barco está lá, pode afundar a qualquer instante, o desentendimento e a falta de consenso afeta a totalidade dos navegantes. As lideranças tentam administrar seus coletivos. Quem ouvirá o canto das sereias e quem continuará a remar obedecendo comandos instáveis que mudam a todo momento e não se regulam por nenhuma orientação náutica, anteriormente, já estabelecida? As sereias lançam seus feitiços, seus rituais de sedução sempre renovados, são seres do engano e do prazer, uns conseguem resistir aos seus múltiplos encantos, outros são devorados. Mas como prever o futuro, quando todos continuam num mesmo barco diante do mesmo temporal, dos mesmos ventos fortes e das mesmas ondas gigantes que não cessam? Quem quiser sobreviver terá que ajudar a conduzir o barco para as tão sonhadas terras firmes, mesmo que para isso precise provocar a rebelião e lutar com muita força contra os insurgentes…

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>