A solidão esquisita e solta

As surpresas não se vão. O planeta terra vive momentos inusitados. Há frustrações imensas e interrupções nos planos e projetos programados. Não se trata se algo ligado a um canto do mundo. Tudo se revirou de forma rápida. Não se sabe como refazer a convivência, as especulações ficam sombrias. Mas há sempre uma brecha, mesmo que os delírios tragam dores e fechem as portas de certas esperanças.

É um ensaio de solidão esquisito. Não existem regras claras, o tempo passa com repetições permanentes. Há sonhos para distrair, brincadeiras repentinas, intrigas familiares e cansaço espantoso. O vírus perturba e as pessoas querem respostas. No entanto, continuam as polêmicas. As religiões proclamam castigos e esquecem o desgaste que acontece nas suas buscas de poder. A mistura de intenções fragiliza, a desconfiança anda solta.

A solidão se expande com o medo da morte. É estranho que apareçam figuras que queiram retomar os fascistas num espaço de dores e falta de perspectivas. Penso, procuro pular cercas, mas sinto que as turbulências acompanham as culturas. A desigualdade persegue e a ciência observa que há limites. Portanto, as saídas são discutidas com ressentimentos e promessas de reforçar atitudes agressivas.

Algumas ruas vazias não expressam o compromisso de diminuir os perigos. A coletividade não se articula, não compreende que é preciso a solidariedade. Subestimou-se. Agora, surge um desencanto, as instituições se despedaçam. Como recomeçar? A solidão é esquisita porque cheia da acasos e alguns a ironizam com ares de perversão afirmados. É impossível negar a tristeza. A história tem suas travessuras e traz pesadelos que adormecem o desejo de fugir do tédio.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • Rivelynno Lins disse:

    … é uma avalanche de ideias, de desejos, de subjetividades. Todos querem explicar o momento político atual do seu jeito, personifica-lo e defender, muitas vezes, de forma violenta a sua narrativa explicativa. Seria ela e apenas ela a verdadeira e única explicação para tudo e diante dela, alguns arriscam impor o caminho único a seguir. É assustador a defesa incontestes de práticas autoritárias, fascistas, incivilizadas, tudo misturado com releituras religiosas duvidosas de um novo cristianismo, este temperado com violência legitimada e até mesmo supostamente abençoada por Deus. O mundo vivencia uma pandemia mortal, no Brasil se vivencia a mesma pandemia acrescida de uma estúpida crise política motivada por um líder abilolado e seguido por um fã clube de pessoas que rechaçam a razão e agem pela emoção, uma emoção que legitima práticas de violência para aqueles que resolverem discordar e muitos discordam, logo as incertezas em relação a paz nacional só se fortalecem e o futuro passa a ser um enigma…

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>