A solidão indefinida

  Não imagine que os sentimentos se esgotam nas distâncias mudas.

Não há medidas exatas para quem perdeu as aventuras dos encontros.

Cada instante foge dos calendários cotidianos, inventa suas fantasias.

Há tempos múltiplos que escondem prazeres e melancolias,

a vida não pode ser  apenas o universo dos desencantos vadios.

Converse com sua solidão e desfaça profecias pesadas,

as calmarias convivem com turbulências e não com certezas definitivas.

Há um manto mágico e invisível que guarda o silêncio da dor,

o amor esconde-se, apressado, com medo da morte e do desengano.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>