A solidão não silencia, transcende

Resultado de imagem para solidão

 

Há dias de recolhimento. A cidade parece um deserto. Poucos ruídos, gente com sono, sossegos passageiros. O sentimento de solidão se institui e dialoga com passados. Surgem lembranças. Observo que o tempo não poupa imagens. Não há sequência definidas, nem planejamentos conscientes. Tudo dialoga sem testemunhar milagres. Faz bem, mas mostra como o movimento da vida se compreende com acasos soltos. Difícil dizer a força da saudade na existência da solidão. No entanto, os afetos se consolidam quando as turbulências escondem-se do coração e poema ama todas as palavrar com um amor anônimo e coletivo.

A solidão não é muda, possui geometrias curvas. Seu alfabeto não é comum. Sua escrita desenha palavras que fogem dos dicionários. O amor ganha outros significados. Sentem-se distâncias e proximidades. O corpo amolece, as visões dos olhos pintam fantasias. Vejo quadros de Picasso, poemas de Neruda, filmes de Antonioni e busco a ternura do abraço mágico. A solidão se estica quando as fantasias transcendem a materialidade da vida. Não adianta ficar preso nos ponteiros do relógio. É proibido  proibir, como diriam em maio de 1968, e anular o desejo, crucificar os mitos, dançar a melodia do apocalipse.

Os isolamentos criam ansiedades. Posso me desfazer de dores envelhecidas, animar paixões que nunca se firmaram e descer para a profundidade do medo. Tudo se amplia ou consigo visualizar o mínimo. A solidão não quer companhias lentas. Prefere o grito que ninguém ouve, porém navega no mais íntimo segredo. Inventa, pois não suporta fixar datas. A solidão é contadora de histórias. Amiga de Chapeuzinho Vermelho, ela conhece as fadas que ressuscitaram os anjos perdidos no paraíso, não risca pinturas que desenham o firmamento. Quem não sabe recomeçar a aventura? Quem não se banha de sombras e luzes sem  desprezar a salvação? Os deuses se acordam com o canto azul dos pássaros.

Não se resuma aos tons atordoados da solidão. Esqueça a mesmice e as fronteiras. Verdades e mentiras atravessam pontes de mãos dadas. Não ligue para o ponto final. A vida supera-se quando a interioridade descobre sua forma. sabe que ela muda e você muda. As identidades se foram para um mundo que não tem a lei da gravidade. Concentre-se num tango de Piazzolla. A solidão se envolve com a musicalidade. Escuta, pois acredita que ” a beleza salvará o mundo”. Por que jogar fora as utopias, se o sonho estremece o que parecia morto? Há um trapézio abandonado no circo que Chaplin idealizou. Não zombe, nem acredite que tudo se abre, como uma porta envelhecida.

 

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>