A tragédia não é incomum

 

Resultado de imagem para tragédia

 

Há sempre sensacionalismo no jogo da mídia. Ela gosta de imagens inquietantes. Manipula bem os desejos da sociedade que não cessa de buscar novidades. Muitas notícias atraem e provocam expectativas. Será que o pecado é um produto humano? A natureza está arruinada? A tecnologia é uma dádiva? Quem acredita no compromisso dos governos? Não faltam temas. No entanto, a desgraça dos outros toca e gera debates. Tudo é muito rápido e passa deixando sofrimentos que são escondidos. Portanto, é preciso leitores ávidos por detalhes, trazer os apáticos para frente das telas, enfeitiçar para manter a audiência. Tudo é mercadoria, garante patrocínio, celebra sucesso..

Vivemos cercados de desmantelos. As hierarquias sufocam e deprimem, mas a necessidade de exibir um grande números de descuidos é importante. Distrai alguns. Ontem falaram de Davos, criaram-se especulações sobre as andanças do presidente. Surge um tema que desloca todas as atenções. As empresas de mineração parecem não gostar do meio ambiente. Mortes anunciadas, denúncias retomadas, rios destroçados. O escândalo prospera por uns dias. Há indignação, levantam-se dados, observa-se a precariedade geral. O suspense é grande, as milícias silenciam, as pessoas se reúnem na sala de jantar curiosas e traumatizadas. Momento de aflição fabricado, porém há lamentações firmes e profundas. Há quem não se iluda com os malabarismos. Desconfia e sente atmosfera suja.

Quem  analisa as pequenas tragédias? Há refugiados, analfabetismo, desemprego, crime organizado. Isso faz parte do cotidiano. É tragédia, porém quanto vale? Que imagens temos da miséria? A fome faz parte do sistema? Que sonhos podem ser imaginados se não há espaço para igualdade? Dói ver as falcatruas das mineradoras. Não são punidas e há quem tenha pena do prejuízo das empresas. E as pessoas que estão embaixo da lama? Conhece Itabira, terra de Drummond e feudo das artimanhas da Vale do Rio Doce? A riqueza encobre os desgovernos e protege privilégios. Quem controla a verdade e se salva  com louvores? E as ações na bolsa ferem o ritmo do capitalismo?

Somos mortais. Para certas religiões, somos eternos devedores. Merecemos perdão ou o fogo do inferno? A incompletude mostra que a perfeição inexiste. O trágico é uma invenção da cultura ? Lembram-se das obras de Sófocles, da aridez das perseguições políticas, das chacinas racistas? O trágico inventa e possui muitas formas Não faltam memórias arruinadas. Elas incomodam e a sociedade quer espetáculo. Se não houver crítica e rebeldia os registros se vão e morrem as revoltas. Convivemos com tragédias,  resta saber o que aprendemos com elas. Muitas perguntas tensionam as emoções, muitas vezes, de forma superficial. Cuidamos pouco da solidariedade. Desligamos, conectamos, ampliamos acontecimentos. Que fazer? A pulsão de morte não abandona a história.Mortais e predatórios, é o que somos.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>