A travessia dos mitos

 

Quem desenha o infinito se distrai com o fluxo da melancolia.

Não importam as mentiras, nem os espaços do impossível,

 a vida se veste de brincadeiras e improvisos, não se desmonta.

Quando trituramos os limites e pintamos os gritos do além,

o sossego  descansa nos mitos que atravessam os tempos indescritíveis.

A história incompleta traz o eterno retorno das origens misteriosas

e o pecado perdido nos corpos soltos e astuciosos  de Adão e Eva.

Há algo que a magia define, masa que não história não consegue compreende.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>