A vida e o circo

Há uma memória guardada no silêncio

e o desejo ardente de envitar exílios.

As histórias não se mostram sem mistérios

e os sentimentos lembram tempos imaginários.

A vida se veste com a instabilidade de cotidianos travessos,

não há sossego para quem se esconde para além da magia.

Os corpos se encolhem com medo do tardio desavisado,

não sabe a medida das fronteiras, nem o peso dos ventos inesperados.

Um circo sem lona espera a despedida do último palhaço.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>