A vida, o infinito, as divagações

http://catracalivre.com.br/wp-content/uploads/2013/09/Chuva-de-meteoros_divulgacao.jpg

          Na poeira das estrelas, os infinitos se formam e se espalham.

Há um deus que compreende as luzes e se esconda das sombras, espantado e medroso.

Toda a complexidade não cabe na inteligência mínima da criatura inventada,

cada fragmento não é revelação, mas palavra que pertence a arcanjos  preguiçosos..

A história é o nome do acaso, a perda das gramáticas fundantes e definitivas.

Não há tempo para cercar o paraíso, nem há fronteiras para marcar o inacabado.

Somos travessias inquietas de exílios que teimam em adivinhar a forma do cristal eterno e uniforme,

atormentadas pelos voos de Ícaro e pelas viagens primordiais de Ulisses, confundindo pesadelos e sonhos.

Não termine o que tem compasso, mas não fuja da incerteza do inesperado. Flutue, gratuitamente.

O perdão mora na esquina do esquecimento, na dobra do pesadelo perdido.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>