Ágatha: a morte se programa?

Ninguém duvida das armadilhas das violências.Elas se sofisticam, ganham espaços tecnológicos, mascaram brutalidades cotidianas. A violência nunca se foi da história. A mitologia mostra deuses irados e vingativos. O militarismo tem adeptos seculares. Os pactos sociais buscam, muitas vezes, estabilidade e sossego, porém as surpresas trazem desgovernos ou as desigualdades estimulam o desuso do diálogo. A violência é ampla e complexa. Simboliza lutas ou inibe reações, inventa turbulências, organiza quadrilhas, infiltra-se nas dominações políticas. Não significa, apenas, o corpo morto, as misérias propagadas pelo fome, a manutenção do trabalho escravo. Há as violências simbólicas que reproduzem preconceitos, justificam racismos, consolidam crenças separatistas e multiplicam as ordem ditas moralistas. É um sinal de ruína crescente.

A sociedade se amedronta, fecha suas portas, gerencia suas andanças, se enclausura.O perigo parece um grande fantasma de garras assassinas.Está na rua, na casa do vizinho, no trânsito, nas moradias abandonadas, nos olhares. A segurança passou a ser, para oportunistas, um negócio atraente. O capitalismo não vacila e atrai muita gente para seus planos de guarda privada. Porém os sustos permanecem e o medo se fixa. Os governantes colaboram para instabilidade e se ligam aos esquadrões que desconstroem e mantêm territórios de poder. A desconfiança se generaliza. Quem mais sofre? Quem é vítima? Quem alicia? Quem simpatiza com os milicianos? Quem fabrica as estatísticas?

É inegável que a sociedade não se despediu das disputas covardes, nem elegeu um ética que satisfizesse utopias. Quem controla os governos promete punir, discute planos, mas escolhe seus parceiros estranhos e alguns celebram a eficiência das polícias pela quantidade de intimidações e a quebra de comunidades carentes de qualquer ajuda. Eliminar quem incomoda a agitação do capital ressuscita manobras fascistas. O pior: muitos silenciam e se negam a criticar e resistir. No Brasil, as noticias nefastas são frequentes, mata-se, cerca-se o desfavorecido com uma crueldade atiçada por hienas fardadas e cínicas

Morreu Ágatha levando seu sorriso. Quantas pessoas não desaparecem sem deixar vestígios? Como sobrevivem os refugiados na aridez diária de seus desmantelos? A história está cheia de invisibilidades. O que se conta? O que se quer contar? As informações circulam anunciando que há controles e tentam argumentar com arrogâncias. O sistema não se move sem invejas e corrupções articuladas. Tudo isso expande pessimismo, fragiliza rebeldias, fortalece privilégios. As minorias alicerçam seus poderes cultivando agressividades e traçando hierarquias. A violência existe e serve para manter concentrações de riqueza e aprisionar sonhos. Quem a festeja se aproxima do desequilíbrio fatal e não observa que o desamparo adoece e tortura. Há cansaços e desmanches no meio de coragens que ainda produzem ruídos e reações. Não custa se abraçar com quem se nega a aceitar psicopatias programadas e oficiais.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Daniel Silva disse:

    Luta-se contra o aborto, matam-se crianças. Um governador ex-juiz, suposto cristão-católico, mandante político do RJ, plagiador de dissertação, dá ordem de atirar de cima para baixo, transformando soldados em facínoras e os habitantes das comunidades em alvos invisíveis, traduzidos em números… mas, o povo escuta edir macedo e se curva às suas loas enganosas.
    Crianças são protegidas das “artes despudoradas”, da “ideologia de gênero”, mas, recebem tiros de quem as deveria proteger. Uma mãe, que deixou a filha tocar em um homem nu, numa performance artística é uma “depravada”. O governador assassino é aplaudido. Soldados têm ordem de matar… Morrem em serviço… Está tudo muito confuso em minha cabeça… e na de muita gente também…

  • Daneiel

    Reflexões pertinentes.Temos que fazer ruídos. Grato pela leitura.
    abs
    antonio

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>