Apocalipse desejado

Há na certeza do azul um horizonte que não magoa,

uma história que não tem medo do perdão.

Não é possível adivinhar o tamanho da sorte,

nem se intrigar com o brilho das estrelas.

Os amores cedem quando desmancham sonhos,

se esfumaçam quando se fixam num espelho.

Não pense na ultima forma do mundo,

conte as aventuras como se os anjos adormecidos

espantassem as visão do apocalipse desejado

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>