As incertezas e as estrelas

Quem se cansa da travessia do mundo, desiste de enfrentar a complexidade, se esconde.

Não há certeza definida, o tempo é veloz, não desiste do escândalo e do desconhecido.

Não revele sua agonia em qualquer esquina, não desperdice o abraço desesperado.

Somos o que traçamos desenhos sem querer determinar juízo ou profecias,

a vida não é destino, nem pertence ao último deus do Olimpo.

Cada paraíso tem seus pecadores, são muitos divertidos com fantasias anônimas.

Carregar o sentimento pelos labirintos é reanimá-los com a invenção com o delírio

O fôlego da verdade é curto e a ciência se perde nas larguras do capital.

A data do fim do mundo pode se amanhã, numa madrugada cinza,

vou me abrigar numa estrela vermelha e conversar com as luzes azuis.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>