As leituras da história: tolerâncias e dogmas

O mundo do conhecimento pode não ter muros. As portas se abrem, Há diversidades juntas com concorrências. Não vamos desenhar ingenuidades. A ciência continua produzindo poderes, alguns arrogantes e cheios de dogmas. Parece estranho, mas as controvérsias não deveriam causar intrigas. Seria interessante que elas abrissem diálogos. Não somos torres inabaláveis, nem a solidariedade é companhia permanente. Queremos decifrar desencontros, renovar a cultura, desfazer paradigmas. Tudo isso custa inquietudes.Há quem se vista com a arrogância. A ciência se torna a doutrina, para evitar que as inseguranças sejam reveladas.

Não há como analisar a interpretação com conceitos definitivos. Os tempos se balançam, Comte trouxe suas contribuições, Nietzsche incomodou seus contemporâneos, Benjamin não abandonou a sensibilidade. É importante assinalar os entrelaçamentos, as fragilidades, os conflitos. No entanto, cristalizar verdades para interpretar a história cria suspeitas. Não há autores que dê conta das mil aventuras humanas. Há retornos, diálogos, ainda hoje assistimos às tragédias gregas. Não escutar os outros, desaconselhar quando é preciso cuidar dos escorregões, fermenta disputas vaidosas e traiçoeiras. Quebram-se possibilidades coletivas e atraentes. Traça-se a arquitetura do pesadelo.

A homogeneidade não adormece, ela traz mesmices. A violência desestabiliza. Anular o outro é prática fascista que o mundo do conhecimento poderia desmantelar. Restam muitas perguntas e as respostas possuem suas vacilações. Como jogar fora as estratégias de competição do capitalismo? Como derrotá-las e mudar o ânimo para ampliar as convivências mais cotidianas? Dizem que nada é para sempre. Quem apaga as ruínas, quem define a memória, quem mantém os afetos? Se o reino das vendas e trocas não se vai, a contaminação é geral. O conhecimento termina fixando seu preço e as histórias seus valores. Explodem as pontes e os abraços mostram o peso dos negócios.Os corpos envelhecem escrevendo marcas que denunciam suas amarguras, desinventam a mudez das formas..

A sociedade não se firma sem linguagens. Elas atormentam, aliviam, aprisionam ambições. Somos metáforas, sintetizamos hábitos. Estamos nas travessias de despedidas e encontros. Como disse Guimarães Rosa o sertão está em toda. Portanto, a aridez dos lugares indica que alguém quer respirar e calar o medo de pedir ajuda. Os sentimentos recebem nomes, variam, transitam pelas histórias. Se o outro representa um incômodo, interrogações se consolidam: Como anular a dissonância? Como abrir as portas da indiferença? A guerra não se faz apenas com armas mecânicas. Ela denuncia afetos mal resolvidos, próximos, silenciosos. As garantias somem destruídas pela falsa profecia do eterno.

 

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>