As possibilidades escondidas

Não desenharia a imagem que avistei no único espelho,

nem  conjugaria o verbo que não contém acasos e desesperos.

Há nos momentos inesperados da vida uma magia tardia,

algo que foi perdido num paraíso que existiu na memória.

Cada tempo carrega narrativas que não se acabam para sempre,

pois as histórias nunca pedem definições fixas e permanentes.

É no território dos poemas que os fundamentos firmam as possibilidades.

Não se encante com os devaneios das rupturas, há rostos que não se calam com a dor

e as origens flutuam por espaços escondidos, com deuses alucinados e ambiciosos.

Escreva os significados do silêncio e arraste a solidão para o vazio do último quarto.

 

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>