As profecias anônimas e animadas

faz a redenção percorrer, sem pausa, todos os pedaços da história.

não ha encanto permanente, pois a dúvida não se afasta do coração.

o ritmo configura as distâncias do corpo e inventa as dores assanhadas.

na celebração do mundo há sempre o juízo final e a escatologia avulsa.

o cansaço da vida é sinal do encontro mal desenhado,

 a escrita cede às profecias suas palavras futuras e mascaradas.

há homens e mulheres contando os anos e desconfiando do tempo,

temem as sombras instáveis dos labirintos antigos, abraçam as mitologias,

projetam-se na imensidão dos que nunca viram os horizontes.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Canto da Boca disse:

    Nesse todo em que fazemos parte, não somos tão autônomos assim na gestão das nossas vontades, existem manipulações, manipuladores que nos tornam atores dessas sombras, desses labirintos, e passamos a desconfiar das circunstâncias, todos os dias profetizam em nós o nosso fim de mundo particular e vamos degustando um armageddon.

    Poxa, Antonio Paulo, impactou-me, uma grande reflexão para o sábado, mas insistente (e resistente) que sou, não cederei ao cansaço da vida, redesenharei sempre grandes e belos encontros. 😉

  • Valda
    Grato pela leitura e reflexões
    abs
    antonio

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>