As quadrilhas não vivem sem estratégias

 

Cada dia uma surpresa. Manobras que atingem o cerne da ética. Decepções gerais, mas muita gente rindo da manipulação constante. Derrubaram Dilma. A estratégia era ampla. Segue armando escorregões. Parece que não há como punir. A justiça tropeça. Ha opiniões múltiplas e uma mídia fragmentada. Diante das frustrações, a sociedade se desmantela. As necessidades básicas não são contempladas. Observe com está a educação. Tente ser atendida num hospital público. Não se engane que a quadrilha funciona com eficácia e sutileza. Ela é extensa, possui assessorias poderosas. Possui seus fanáticos, reverte expectativas.

É chocante o fluir das mentiras. Há provas para uns e outros são inocentes. Quem sabe o caminho de tantos desgovernos? Fala-se em democracia, em popularidade. Trocam-se políticos, discursam como se o mundo fosse o paraíso. É incrível. Uma sessão no Congresso supera qualquer comédia. Porém, traz consequências nefastas para a maioria. Vai se aposentar quando? Percebeu o rosto impassível de Temer? E a discutível sentença de Moro? Por que tantas parcialidades? Não existe crítica, inquietude? O pântano não desaparece?

Gostaria que houvesse uma limpeza. Não defendo inocências sacralizadas. Compreendo que existem várias quadrilhas. O que me incomoda é o cinismo, é a venda de ilusões, é grana acumulada nas mãos de poucos. O autoritarismo se disfarça. contudo os mecanismos de controle só aumentam. Jucá ironiza, as malas circulam, Aécio se julga um bom rapaz. O circo está sempre pronto, com um espetáculo deprimente. Os privilegiados se animam e a coletividade se destroça. As cenas desmoronam princípios básicos, arrastam limites, quebram sonhos, fecham o espetáculo de forma melancólica.

O que nos reserva o futuro? Como tudo terminará? As traições jogam com a sorte? A política se entrelaça com poderes que subordinam. Há suspenses e a história não é inabalável. Tudo se movimente. Há quedas, ações, indignidade. Quem se sustenta pode sofrer choques fatais. Os ferimentos são graves. O tempo rege a história e ele não é linear. Desfaz estratégias, inventa concepções, expulsa o medonho. A apatia é uma condição grave e covarde. Por isso, os ruídos devem crescer. O mundo não é espelho fixo, nós não somos seres congelados.A mistura distrai, suicida. Cuidado com as imagens fabricadas com silicone.

 

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>