As vitrines flexíveis do facebook

 

A sociedade move-se com inquietações. A campanha eleitoral trouxe muitas controvérsias. Motivos não faltaram para troca de argumentos densos e desconfianças explícitas. Ficam vestígios das questões e dos descontroles. Fazem parte das sociabilidades. No facebook, as conversas se estenderam cotidianamente com ritmos acelerados ou pacientes. Não poderia ser diferente. Mudam os meios de comunicação, criam-se linguagens, festejam-se velocidades, mas nem tudo são consensos. Portanto, os abismos permanecem por muito tempo revelando decepções e incertezas.

O facebook continua sendo uma grande vitrine. Nos ruídos das polêmicas, nas declarações de amor, nas simulações intelectuais, ele possui, hoje, um lugar especial.As notícias correm numa renovação que embriaga. Não poderíamos ter uma uniformidade nas opiniões, nem nos sentimentos. Existe uma sociedade cheia de desigualdades, com expectativas políticas ambíguas. Tudo isso agita corações e mentes, desfaz afetos e alimenta arrogâncias.

A vitrine do facebook é sofisticada. As curtições mostram simpatias diplomáticas ou podem diluir grupos. Muitos adoram expressar opiniões que buscam entusiasmar os amigos. Outros fazem suspense, colocam vacilações, subestimam dificuldades. Sabemos que o a vida se constrói na produção da cultura. O mundo contemporâneo é complexo, repleto de tecnologias, assediado pelo consumo. Os lugares de pertencimentos são confusos. Há instituições que procuram preservar tradições e há luta pelo monopólio das novidades.

Discutir o significado da verdade provoca debates sem fim. Ninguém nega que a multiplicidade ganha espaços, porém há quem se incomode e até mostre autoritarismos mascarados. As formas definem identidades ou provocam conflitos. A agressividade não se esconde, no entanto usa fantasias. Vende-se a ideia que todos se enfeitiçam com o moderno. É difícil pronunciamentos abertamente conversadores. Surgem expressões desconhecidas que atrapalham entendimentos e convívios saudáveis.Nesse mundo, com travessias intermináveis, as agonias e os desamparos estão acompanhados com sabedorias e desejos de centralizar poderes.

O facebook é um cenário importante. Nele se arquitetam revelações que não aparecem no dia a dia. Crescem a coragem, a fascinação, a felicidade e tantos outros sentimentos. As pessoas se divertem, caminham com uma segurança fabricada nos mistérios da máquina. As sociedades se inventam, desmontam uniformidades ou massificam verdades. Curtem , muitas vezes, sem perceberem a inutilidade ou o vazio. A vaidade programa-se com refinamentos. Será que foi sempre assim? Será que as permanências costuram a vida, apesar de tantas ousadias do conhecimento?

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>