Atos do cotidiano torto

Não sabia qual era o dia de hoje. Fico perplexo com a avassaladora viagem do tempo. A pós~modernidade anunciava mudanças, derrubava preconceitos, mas colocava temores. Isso criava suspeitas A imaginação subia e os desenganos não deixavam de marcar os sentimentos. A globalização se tornou quase um suicídio, pois o pânico bate na porta. O desconhecido balança a certeza.

O mundo se enche de ambiguidades. A ciência procura vacinas, os Estados Unidos sofrem com seu sistema capitalista, nós olhamos o azul querendo que ele abrace esse planeta tão esfarrapado. Nem existe aquele calendário costumeiro. A praia fechou suas ondas de convívio? Já leu o noticiário pesado, com ameaças medonhas? E a Globo, atônita?

Não sei como firmar espaços para seguir viagem tranquila. Contemplamos angústias, os fantasmas aceleram suas ações, os corpos se encolhem atiçando defesas. Será que os deuses assistem a tudo passivamente ou as religiões servem para amenizar desgastes? Qual a porta que se abre e traz a luz? Depois de teorias que racionalizam a convivência social, perderam-se os afetos mais simples e o desamparo dispara.

Acertar o caminho é um ato coletivo.Refazer a cultura ensina que a privatização é apenas um elogio ao capital. Se não se procura a proximidade, a distância carrega para as escuridões indefiníveis. Portanto, a solidariedade nunca deve ser esquecida. A questão é não concentrar privilégio e adormecer num individualismo perverso. porém voar com pássaros e se largar das dores permanentes..

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>