Archive for the ‘sem categoria’ Category

Macondo: Quem escreveu o amor no mundo?

Cem anos de solidão não distrai a existência do amor. Talvez , o torne mais repleto de fantasia. Gabriel García deve ter uma resposta. Macondo era o reino de todos os acasos, tinha uma magia assombrosa. Mesmo com os desfeitos, não havia como não  voar nos afetos. Os mistérios eram muitos, as guerras pareciam acasos. […]

Read the rest of this entry »

A sociedade se diverte com suas banalidades

    Parece que as notícias surgem do acaso. É possível dizer tudo. As comunicações são imediatas. Causam sustos, mas divertem e entram nos assuntos. Não importa o banal, nem o espetacular vazio.Há espaços para  o deboche e peraltices nada comprometidas. O presidente Jair afirma que existe um anão que lê seu pensamento e transmite […]

Read the rest of this entry »

O futebol no meio da grana

  A sociedade cria suas ilusões. Ficar no pesadelo deixa a vida amarga. O futebol tem um espaço privilegiado. nas amenidades contemporâneas. Muito curtem torcer, se apaixonam por determinadas cores e seguem buscando vitórias. Nada de mal em desfrutar das alegrias e correr para o abraço. Acontece que, na sociedade capitalista, a sede por lucro […]

Read the rest of this entry »

A aventura do cinismo:distrações perversas

  Os ruídos dos tempos modernos são frequentes. Já houve provações contínuas e crescem as buscas incessantes da história. O sonho persiste, apesar dos desmantelos. As palavras se espalham, se vestem de cores berrantes. Quem não quer  contar suas aventuras? Há mágoas e frustrações. Nunca deixou de se fabricar o disfarce para cada situação. Já […]

Read the rest of this entry »

A sociedade vive tensões programadas?

      A figura de Moro ganha espaços nas manchetes. Ele escorrega, sabe inventar histórias, mas se encontra numa situação desagradável. A política se cansa de repetir desgovernos e assume medos de rompimentos radicais. Há quem busque se mostrar amigo da neutralidade e se aproveita dos fãs de redes sociais. Todos temos uma concepção […]

Read the rest of this entry »

Ainda se fala de fascismos

    As  práticas sociais se estendem e não se esgotam repentinamente. Fala-se, hoje, de fascismos. Não é estranho. Existem governos que tomam atitudes negativas e tentam fechar os caminhos da crítica. Não se faz apologia das violências? Não se elogia a censura e se impedem olhares ecológicos? Há racismos que habitam sociedades de forma […]

Read the rest of this entry »

A história cabe na solidão?

  Muitos rejeitam pensar na solidão. Acham perda de tempo. As relações sociais permanecem agitadas e a solidão poder abrir espaço para consolidar desacertos. No entanto, as multidões caminham, fazem suas rebeldias ou se massificam no vazio e a sociedade se multiplica nas suas agonias. Estar só é uma forma de escutar, de fugir de […]

Read the rest of this entry »

As celebrações da vida: o aqui e o agora

  Ninguém nega que o tempo passa. O mais difícil é saber a sua velocidade ou se ele pode ter alguma definição. Jogamos com o passado e o futuro, visualizamos distâncias, mas as incertezas não se apagam. A multiplicidade das interpretações nos deixam atordoados. Não há transparências, mas existe a contínua a rapidez de misturas. […]

Read the rest of this entry »

O poder faz parte da aventura humana

  Há sempre dúvidas. Muitos desejam o absoluto, mas mergulham em decepções quando fracassam. Não percebem as fragilidades, multiplicam delírios, esquecendo dos limites. Somos seres que não dispensam sonhos. Temos que superar os impasses do cotidiano. Não fugimos das idealizações. No entanto, o infinito é uma criação transcendente, apenas uma forma de levantar os ânimos […]

Read the rest of this entry »

O afeto no meio das mercadorias

Não acredito que a história tenha um sentido determinado. Ela surpreende, quando tudo parecia arrumado. É difícil precisar, achar que as organizações vão nos livrar as amarguras. Andar pela vida  é visitar memórias, mas também saber que nada está definido. Não faltam teorias e religiões que busquem respostas para tantas complexidades. Inventaram o pecado, sobrevivem  […]

Read the rest of this entry »