Archive for the ‘sem categoria’ Category

O capitalismo: truques e distopias

      Não estranhe que a sociedade viva desigualdades e sofrimentos. Seria impossível desejar harmonia num sistema econômico que se concentra nos privilégios de uma minoria. As crises fazem parte de um jogo. Não há com resolvê-las para sempre. As estratégias mudam de acordo com as ameaças. O Brasil é cercada por fraquezas e […]

Read the rest of this entry »

O poder e a greve: desacertos

    Vivemos, muitas vezes, o inevitável. O controle sobre o que está no mundo nos enche de incertezas. O nosso olhar é exterior, custar a pensar que se espalha na subjetividade. Vamos levando. A memória se fragmenta e o futuro surge com um furacão. Parece que o desligamento da história é uma necessidade. Fingimos, […]

Read the rest of this entry »

O Brasil do homem cordial?

  Já houve muitos julgamentos e várias teorias sobre o comportamento do brasileiro. Produzem-se esteriótipos. Dizem que ele é cordial e alegre. Adora carnaval e futebol. Não é preconceituoso. Vive uma mistura racial singular. As polêmicas se espalham e se agudizam quando o caos fica evidente. Há brasileiros cordiais e afetivos. Mas é importante observar […]

Read the rest of this entry »

Nietzsche: os valores apodrecem

  O mundo globalizado não consegue se livrar das crises constantes e profundas. Não há alternativas para cessar a corrupção e a violência. Elas aparecem e tumultuam. Se a perplexidade se amplia, há também esquecimentos importantes. Nietzsche, no século XIX, fez críticas ao mundo ocidental. Mostrou o apodrecimento dos valores e a falta de transformação […]

Read the rest of this entry »

A escrita é a casa e o muro é o limite?

    Talvez, não morasse fora de mim. Sinto que o corpo olha o mundo de muitas maneiras. Não há nada definitivo. O calendário da morte e do paraíso não nos pertence. Gosto de nomear e acredito que as palavras possuem magias. Mesmo que a tecnologia enlouqueça, não vejo o fim da palavra. O mundo […]

Read the rest of this entry »

O afeto: celebrações fabricadas e ilusórias

    A solidão absoluta é uma mentira. Todos temos momentos de isolamentos. O que era a vida na época que Atenas desfrutava dos ensinamentos de Platão? O que é hoje o cotidiano marcado pelas máquinas e anseios? A história não escolhe caminhos , pode vacilar e cair em abismos. Não há destinos. A vida […]

Read the rest of this entry »

A sala de aula: lugar do encontro?

    Sou professor faz um bom tempo. Hoje, a maior parte dos alunos e alunas possui idade de serem filhos e filhas. Já cruzei muitas travessias, observei gerações, debati valores, passei por ótimas experiências, morei em instabilidades. Há as dificuldades. As pessoas se perguntam, o mundo ferve, a sociedade de consumo é turbulência. Portanto, […]

Read the rest of this entry »

O sonho está na rua

Fechar a porta pode ter vários significados. Quem quer ir embora procura outra moradia e aventura se despedir da melancolia. Mas há alternativas diferentes. O sonho está na rua e não conheço seus esconderijos. Ele não é tão visível. As esquinas são perigosas, pois revelam que há dobras e encruzilhadas. O sonho foge, lança perfumes, […]

Read the rest of this entry »

A paixão se mete pela vida

  As coisas estão embaralhadas. Não há clareza, tudo caminha para uma escuridão avassaladora. O sentimento, porém, não morre. Mesmo com todas as enganações da sociedade de consumo podemos observar certos encantamentos. Não há vida sem ilusão. Acredite que Kant era uma sonhador e Nietzsche procurava uma princesa. A loucura gosta da fantasia.A cultura sacode […]

Read the rest of this entry »

Marx não desmoronou

Há pensadores que sobrevivem e não são abndonados. Marx é um deles. Consegue manter suas críticas válidas e ser admirado por militantes. As frustrações das revoluções socialistas não o apagaram da  história. É claro que as políticas existem e provocam agressividades. A sociedade está sufocada, procura caminhos, encontra-se cercada por modas intelectuais imensas. O consumo é […]

Read the rest of this entry »