Archive for the ‘sem categoria’ Category

Trump is Trump

Não se engane. Os governantes manipulam bem seus discursos e adoram criar situações para mostrar seu poderio. A política tem se viciado em farsas.Surgem palavras com dimensões imensas que confundem. Quem não fica perplexo com o significado de terrorismo? Ele se multiplica e serve aos senhores que querem intimidar o mundo. Trump é um deles.Assessora-se […]

Read the rest of this entry »

Os dez mandamentos!

1- Desconfie dos deuses que inventaram paraísos e assumiram o peso do pecado original para justificar regras e punições. 2-O próximo só existe se o abraço do afeto se estende e as intriga se anulam no cotidiano, 3. Não acredite na acumulação, nem festeje todos saberes inusitados da tecnologia com simulações de messianismos científicos. 4-Desmonte […]

Read the rest of this entry »

Infinitudes ansiosas

O espaço do universo é o desafio do infinito. Indefine cores, inventa arquiteturas, celebra o inesgotável. O espaço da vida é o tempo da história. Desfia cronologias, despe acontecimentos, festeja utopias. Não é a exatidão que consegue exprimir as acrobacias do do universo e da história. A palavra nomeia e aproxima, mas as tergiversações mostram […]

Read the rest of this entry »

As hienas não dormem

Há inúmeras formas de praticar a violência, Elas se tornam sutis com o desenvolvimento da tecnologia, Não há neutralidade. As relações sociais são relações políticas, trazem incômodos e intrigas e desenham tensões. A ciência não se organizou para definir uma história de paz. Muitos paradigmas anunciaram mudanças.Houve euforias, cantam o progresso, mas os colonialismos prosseguiram […]

Read the rest of this entry »

O limite e a história abraçam a vida

Quem acredita no destino, muitas vezes, se entrega às fatalidades. Não consegue conviver com surpresas, sente-se numa história programada e visualiza juízos finais. Cria-se uma cronologia de datas marcadas por acontecimentos inevitáveis. O fato é o fato e não a interpretação do fato. A história se torna um canto de repetição, lugar de desertos extensos […]

Read the rest of this entry »

Fundações da vida andante

A curta distância dos olhos da memória permanente deixa vadiar o sentimento pelos esquecimentos tardios. Não faço conta dos dias,  tampouco dos sonhos. As madrugadas perdidas parecem fantasmas parceiros do medo. Não projete o amor que não sabe nada sobre o sagrado, nem adore deuses que se escondem dos perdões cotidianos. Há na história  nuvens […]

Read the rest of this entry »

O delírio da felicidade comprada

A história corre por muitos caminhos. As desconexões inquietam, mas restam expectativas de tudo poder ser ultrapassado e o mundo se livrar de seus lixos. Nunca o pessimismo foi absoluto, A sociedades trouxe sofisticações. Entusiasmou quem festeja o narcisismo. Se a tecnologia difundisse saberes e riqueza, as relações passariam por transformações significativas. Talvez, o lado […]

Read the rest of this entry »

Os homens sem sonhos

Os homens sem sonhos sacudiram suas ilusões para dentro do abismo, não sabem o que fazer com a insônia persistente e o revotril amargo. Os homens sem sonhos adormecem temendo as luzes das estrelas, fogem de qualquer cor que negue o azul e fecha a porta da moradia frágil. Os homens sem sonho gritam assombrados […]

Read the rest of this entry »

O deserto é o disfarce?

Abandonaram os paraísos perdidos na farsa do pecado original. A insegurança da invenção do mundo trouxe disfarces e máscaras, cantou um absoluto vacilante e consolidou o medo de não amar o outro. Há uma cartografia de cada momento, das arquiteturas estranhas e o mover de sentimentos de culpa assustadores. O território da incerteza se expande […]

Read the rest of this entry »

O tratado do medo

Não sei se o medo tem um rosto delineado. Prefiro não cair em certeza e apostar que tudo tem forma indefinida. Escolhemos as palavras, sentimos as suas extensões. Mas será que há geometrias fixas? O que é o medo para quem perdeu a família ou para quem vive no meio de polícias agressivas? Como imaginar […]

Read the rest of this entry »