Archive for the ‘sem categoria’ Category

O futebol e a política: epopéias e descontroles

No mundo do futebol, a vida não sossega. Ela está presente nos desconfortos  que o cerca. Ele nunca foi uma ilha, nem um oásis especial. Seria estranho querer enfeitiçá-lo com encantos exclusivos . Não há neutralidade nas relações sociais. As astúcias do poder se apresentam em busca de seus espaços. Ficar em cima do muro é coisa […]

Read the rest of this entry »

Os professores na gangorra de todas as jogadas

Ensinar  é uma grande arte. Parece não muito cultivada, no nosso Brasil de urgências complicadas. Falta muito investimento na qualidade. Tudo, agora, se resume aos lances tecnológicos. Pensam que redimem a educação no ruído dos computadores. Estou com os antigos(?): educar é dar exemplos. Vivemos épocas de referências sinuosas. Isso tumultua as escolhas. A pressa e […]

Read the rest of this entry »

O voto e a bola: a dança do inesperado na vida

Falam das esfinges do passado. Lembram Édipo, sentem saudade de Prometeu. Asseguram que os segredos estão escancarados na era de tecnologia. Até a urna é eletrônica, num pais que nem resolveu seus problemas básicos de saúde e educação. A ciência é soberana. Descartes não escreveu perdendo palavras. Firmou-se no mundo da filosofia. Eternizou-se, com suas verdades. Tudo […]

Read the rest of this entry »

O espetáculo tem hora marcada e permanente?

  Guy Debord escreveu um clássico chamado A sociedade do Espetáculo. Terminou marcando nosso tempo, feito imagens e informações. Ele foi perspicaz nas suas análises. O fetiche da mercadoria impera. Tira o fôlego de todos. A sua travessia é ampla. Quem cair na ingenuidade celebra o ato de comprar, como se estivesse no altar de todos os santos. […]

Read the rest of this entry »

As lições múltiplas das cores e dos sentimentos

       As experiências ensinam a costurar sabedorias. São múltiplas. Viajam pela vida, por mares, ventos, cavernas. Nem todos ousam refletir sobre as suas lições. No mundo da pressa, muitos escolhem ser escravos das manchetes. Acham os torpedos dos celulares o texto mais dinâmico e comunicativo. Habitam na superfície, temem labirintos, se embriagam com a repetição. Usam máscaras […]

Read the rest of this entry »

O mundo e o jogo vivem alegrias e tensões do coletivo

Nem tudo se foi para o abismo das frustrações. Há suspiros e risos aliviados que trazem alegria. O mundo está submerso em muitas crises e desenganos. Existem, porém, espaços para reverter fracassos e viver a força do coletivo. Se a esperança nunca vem sem o medo, cabe a sociedade transformá-la em ânimo constante, independente dos […]

Read the rest of this entry »

A bola de cristal do passado está desbotada ?

O passado virou um instante. Perdeu densidade de um tempo que se prolonga. Agoniza nos emails velozes. Deixou de ser uma coleção de lembranças. Portinari que nos salve, com suas pipas sedutoras. Vivemos a velocidade da fórmula 1. Amarguras e prazeres se desfazem em segundos. Falam na falência dos desejos e na vitória dos impulsos. É […]

Read the rest of this entry »

A grana tumultua e desmonta a força dos clubes

Ninguém é ingênuo no mundo da bola. Todos sabem que manobras existem em todos os sentidos. Lamentações são feitas, pelos mais apaixonados. As torcidas padecem. São as primeiras vítimas. Pensam em disputas valorizadas pelo amor ao time. Gritam pelas suas cores. Vão aos estádios fervendo de emoção. Consagram ídolos. Ganham o dia com a vitória […]

Read the rest of this entry »

As vitórias do coletivo: o vôlei do Brasil e os mineiros do Chile

  Ganhar traz, no geral, alegria e otimismo. Pode trazer enganos ou distrair avaliações negativas. Depende do momento e dos rumos tomados, pelos vencedores. A decisão acontece, mas suas repercussões se multiplicam. Seus atores principais não conseguem acompanhar todos os seus desdobramentos. Faz parte da artimanhas da cultura. Não faltam amadilhas, nem abismos profundos. A seleção brasileira de […]

Read the rest of this entry »

O mundo agitado das notícias e a circulação da bola

Fica difícil mergulhar no vaivém do cotidiano. Os meios de comunicação correm, numa velocidade descomunal. Que tempo temos para fazer uma reflexão, afagar uma notícia, avaliar seus impactos? Vale a sede da quantidade. Então, tudo vira uma grande mistura. O espaço da pausa sumiu, o raciocínio é um suspiro e a vida  se oferece de forma […]

Read the rest of this entry »