Archive for the ‘sem categoria’ Category

A luz afirma o mundo das cores encantadas

Desvio o olhar da tela do computador. Muita luz entra no quarto e procuro descobrir a sua trilha. Por uma pequena janela transparente, contemplo o verde de uma mangueira antiga. No fundo, o azul do horizonte, o vermelho de uma rosa na jardineira da varanda. Respiro com força, para captar tanta coisa que traz o […]

Read the rest of this entry »

Os dissabores não limitam outros movimentos

A vida apronta. Não tem um roteiro definido, por mais que queiramos exercer controles e determinar projetos. De repente, despencamos e a sorte que nos protegia, se vai. Momento de refazer e ritmar o coração com outros sons. Ninguém deixa de construir seus balanços. Eles estão envolvidas em reflexões. Somos duros e nem pensamos no […]

Read the rest of this entry »

As andanças silenciosas do capitalismo

              Ninguém nega a globalização. É assunto presente, em todas as notícias que mostram como o mundo está interligado. As novidades chegam rapidamente. O que assusta é a falta de fôlego, para saber das coisas e buscar ultrapassar certas manipulações. Nem tudo é uma mal permanente. No entanto, a globalização responde às urgências do capitalismo. […]

Read the rest of this entry »

As criações e as criaturas: o domingo e seus feitiços

  O futebol domina uma parte dos programas de televisão. Possui uma audiência poderosa. Acontece quase todo dia, fomenta negócios e divertimentos. O domingo era, antes, seu leito privilegiado. Houve muitas mudanças, sobretudo no império dos meios de comunicação. Quem queria ver o jogo, tinha que ir ao campo. As torcidas se misturavam nas suas paixões e […]

Read the rest of this entry »

A política é um jogo: as inquietações mal resolvidas

Tudo se toca. A originalidade é coisa pouco usual. Numa sociedade de massas, os disfarces se espalham, para vender novidades, mas o criativo e o revolucionário tornam-se frágeis. Uma loja de máscaras ambulantes se instala em cada esquina, com vitrines invisíveis. Não faltam disputas ou abraços vazios de afeto. Não vamos universalizar os desconfortos. Há […]

Read the rest of this entry »

No mundo dos descontroles, negócios, convivências

O ano finda-se. Trata-se de um rito de passagem, pois o tempo continua e a vida inquieta não cessa de procurar aventuras. Há os famosos balanços e restropectivas. Parecem espelhos do passado, pois os temas são os mesmos. O sucesso dos famosos, os desastres ecológicos,  a corrupção dos políticos, as renovações tecnológicas… Muita coisa para recordar, […]

Read the rest of this entry »

A cicatriz no coração e as dores vadias do mundo

  Sheilla está triste. Sem muita concentração no jogo, sem aquela alegria e sagacidade. Pesou a perda do título para as russas. Foi uma batalha. Parecia que o verde-amarelo ia prevalecer, porém a derrota chegou silenciosamente. Falo de Sheilla, porque a vi jogar, nessa semana, e observei seu jeito deslocado. Pode ser exagero. Simpatizo muito […]

Read the rest of this entry »

A dissimulação comanda o show de cada dia

Aguçar o olhar é preciso. As imagens surgem numa velocidade sem igual. Não dá para ficar preso na verdade, pois pouco sabemos da mentira. O mundo se encheu de acasos, com traços geométricos. Não há lógica, quando o pertencimento é vazio ou inesperado. São as travessias da contemporaneidade que acedem luzes  nas cavernas, espalhando especulações. Tudo é […]

Read the rest of this entry »

O sorriso do efêmero de dentro do coração

Torci pelo Flu e curti a vitória. Gosto da festa. Alegria gera bons sentimentos, quando acompanhada de permanência. Mas sempre penso outras coisas. Os sorrisos parecem,muitas vezes, colados no rosto. Não encontro o lugar da sua expressão maior. A sociedade traz uma carga de celebração ensaida que provoca desconfianças. A convivência com o fugaz é […]

Read the rest of this entry »

A volta sempre traz muitas histórias e travessias

Voltei. Cheguei sábado, depois de horas perdidas nas confusões de aeroporto. Foi um bom momento de vida e com surpresas, componentes de toda viagem. Vou comentá-las, sem agonias, pois trazem reflexões interessantes. Gosto de observar, sem deslumbramento. O mundo gira e  é mesmo uma aldeia global. Os entrelaçamentos são muitos. Não deu para escrever, lá em Paris, […]

Read the rest of this entry »