Archive for the ‘sem categoria’ Category

Os sonhos flutuam nos tapetes mágicos da vida

Quem parte sabe qual o destino perseguido? Qual o significado de viajar pelo mundo desconhecendo os caminhos de chegada? Quem cultiva o sonho convive com o medo e o desespero ou mergulha em fantasias coloridas e brilhantes? Nem sempre quem parte visualiza seu desembarque. Pode ficar à toa, sem escolher o lugar definido, esperando algum sinal […]

Read the rest of this entry »

O vôlei ganha espaço e o espetáculo se multiplica

          O vôlei faz sucesso. Já consegue seduzir os antes fanáticos pelo futebol. Consegue ganhar títulos seguidos e animar torcidas bem-comportadas. Seus caminhos são outros, perspectivas e formação profissional  com outras ambições. Cabe, como poucos, nos esquemas de transmissão das televisões especializadas. As paixões esportivas respondem aos sentimentos da época. Elas mudam, junto com os hábitos […]

Read the rest of this entry »

Os caminhos tensos do título e da consagração

A arrancada final ganha fôlego. As conversas crescem sobre quem merece a vitória. Parece que todo o passado se desmancha. Não se soma, porém a construção dos tempos tem ritmos . Por isso, as ruínas se mostram, rapidamente, mesmo depois das conquistas valorizadas. O caso do Flamengo é um exemplo. Hoje, o clube teme cair na desclassificação. Quem se lembra […]

Read the rest of this entry »

A barbárie refinada do mercado veloz da bola

O futebol brasileiro é barulhento. Seu destaque no noticiário é visível. Há dias que as suas manchentes dominam a primeira página dos jornais. Não se pode negar que se formata uma vitrine, para encaminhar e trocar valores. O mundo da especulação não se resume às histérias das bolsas de valores. Tudo está contaminado pela volúpia dos lucros. […]

Read the rest of this entry »

Quem dança o último tango no suspiro da decisão?

No final do ano, as decisões aparecem frequentemente. O calendário tem  valor simbólico,  pois a vida se compõe de ritmos descontinuados. As datas servem como referências, mas o emocional balança com seus próprios signos. Os dois últimos meses do ano anunciam as festas e as compras. A agitação faz parte da tradição e as vitrines se […]

Read the rest of this entry »

O circo não é de lona, a bola perde-se na arena

Nada de discursos de apologia ao passado. Acredito em mudanças, não fico chorando de saudades, porque existem paisagens de concreto soberanas nas formas urbanas. Tenho certas antipatias pela exaltação desmedida do progresso, sobretudo aquele coberto de acumulações e utilitários. Sei que o equilíbrio é uma utopia. A balança sempre se descontrola. Não custa, no entanto, imaginar […]

Read the rest of this entry »

A fama está em cada esquina da vida moderna

      A sociedade elege seus ídolos. Precisa de realizar seus sonhos.Os modelos servem para alimentar fantasias. Mesmo as ditas relações tradicionais exigem transcendências, para além das questões religiosas e divinas. Os mitos estão presentes, em todos os períodos. Não encerram suas aventuras, apenas mudaram suas vestimentas. Hércules representa força e astúcias. Édipo luta […]

Read the rest of this entry »

Na corrida das decisões, as notícias lembram o caos

Numa população espalhada, por um vasto mundo, tudo pode acontecer. O espaço da surpresa diminui, pois a diversidade de comportamentos é uma constante. O que chocava, antes, se torna banal e amedronta. A violência é uma ameaça sufocante. Não tem hora para descanso. Há assaltos, pedofilias, atropelamentos, fomes, troca de tiros, assassinatos estranhos. Fica difícil […]

Read the rest of this entry »

O domingo não perde a imagem da preguiça

No expansão marítima européia, o olhar era muito voltado para os oceanos e as possibilidades de fazer negócios. Vencer as turbulências das ondas gigantescas, como contavam as histórias da época. O mundo não se apresentava, como uma aldeia global, mas a Europa buscava outros caminhos para o comércio. Os planos iriam estreitar contatos e acordos. O tempo […]

Read the rest of this entry »

Futebol, Carolina e Beatriz: as sortes e as paixões

Chico Buarque fala de Carolina que não viu o tempo passar na janela. Destino cruel, tristeza sem luz, dor de todo mundo. Mas nem é julgamento, nem juízo final. Tantos se distraem de outras maneiras. Dividem seus instantes com a solidão, contando os dias apagados pelos desencontros. Olham os voos dos beija-flores imaginando trapézios invisíveis. Chico e […]

Read the rest of this entry »