Archive for the ‘sem categoria’ Category

Clássico é clássico, Pelé é Pelé, mundo é mundo

O final de semana ganhou festas, para comemorar os 70 anos de Pelé. Foram muitas homenagens. Os programas de TV exibiam suas façanhas. Os mais novos se deslumbraram. Os gols são obras-primas. Quem disse que o futebol não é uma arte? Quem desconhece a dança divina de Pelé? Sua cadência no campo, sua matada no peito, sua […]

Read the rest of this entry »

O bem e o mal: os jogos do dualismo e das astúcias

Criam-se valores. Não há como viver sem eles. Desde os tempos primordias, citam-se virtudes e desmantelos. O difícil é o consenso. Mudam os valores, pois são históricos. Cada sociedade abraça os seus e ,dentro dela, existem grupos que se rebelam. O mar da inquietude gosta de agitar suas ondas. A população aumenta, trazendo discordâncias, escolhas diferentes […]

Read the rest of this entry »

Os mundos da invenção, os jogos da vida e da paixão

  Inventar o mundo expressa as andanças e as metamorfoses da cultura. Nada aparece, de repente, como meteoro perdido ou um cometa em busca de um leito para se esticar. A vida é construção, entrelaçamentos  dos saberes e de experiências. O lúdico tem seu lugar especial, as certezas se sentem ameaçadas, pelo vaivém das opiniões […]

Read the rest of this entry »

Fellini, travessuras, saudades, imagens, efêmero

                           Contemplar, quando se tem pressa, é uma impossibilidade. Não dá nem para sentir saudade. Os toques constantes dos celulares compõem uma sinfonia atípica. Será que existe ainda o tão portentoso reino humano? Resposta difícil, diante das tantas máquinas que ocupam espaços com volúpia. Mas a paciência é um exercício fundamental. Num cosmos, tão mecânico, […]

Read the rest of this entry »

A crise é dona do mundo e dos seus dramas?

Crise é uma palavra presente no cotidiano.Seu uso é contínuo. Em todas as situações, quando as tensões e os desacertos acontecem, ela aparece para definir os impasses e suas profundidades. Lembra tensão, momentos de transtorno ou dificuldade de fazer escolhas. Não se localiza, apenas, nos grandes espaços da política. Ela se espalha pelas atividades humanas. Não […]

Read the rest of this entry »

O futebol e a política: epopéias e descontroles

No mundo do futebol, a vida não sossega. Ela está presente nos desconfortos  que o cerca. Ele nunca foi uma ilha, nem um oásis especial. Seria estranho querer enfeitiçá-lo com encantos exclusivos . Não há neutralidade nas relações sociais. As astúcias do poder se apresentam em busca de seus espaços. Ficar em cima do muro é coisa […]

Read the rest of this entry »

Os professores na gangorra de todas as jogadas

Ensinar  é uma grande arte. Parece não muito cultivada, no nosso Brasil de urgências complicadas. Falta muito investimento na qualidade. Tudo, agora, se resume aos lances tecnológicos. Pensam que redimem a educação no ruído dos computadores. Estou com os antigos(?): educar é dar exemplos. Vivemos épocas de referências sinuosas. Isso tumultua as escolhas. A pressa e […]

Read the rest of this entry »

O voto e a bola: a dança do inesperado na vida

Falam das esfinges do passado. Lembram Édipo, sentem saudade de Prometeu. Asseguram que os segredos estão escancarados na era de tecnologia. Até a urna é eletrônica, num pais que nem resolveu seus problemas básicos de saúde e educação. A ciência é soberana. Descartes não escreveu perdendo palavras. Firmou-se no mundo da filosofia. Eternizou-se, com suas verdades. Tudo […]

Read the rest of this entry »

O espetáculo tem hora marcada e permanente?

  Guy Debord escreveu um clássico chamado A sociedade do Espetáculo. Terminou marcando nosso tempo, feito imagens e informações. Ele foi perspicaz nas suas análises. O fetiche da mercadoria impera. Tira o fôlego de todos. A sua travessia é ampla. Quem cair na ingenuidade celebra o ato de comprar, como se estivesse no altar de todos os santos. […]

Read the rest of this entry »

As lições múltiplas das cores e dos sentimentos

       As experiências ensinam a costurar sabedorias. São múltiplas. Viajam pela vida, por mares, ventos, cavernas. Nem todos ousam refletir sobre as suas lições. No mundo da pressa, muitos escolhem ser escravos das manchetes. Acham os torpedos dos celulares o texto mais dinâmico e comunicativo. Habitam na superfície, temem labirintos, se embriagam com a repetição. Usam máscaras […]

Read the rest of this entry »