Archive for the ‘sem categoria’ Category

Não se agonie com a saudade

Faltam o começo e o fim. Ou ninguém sabe se eles se escondem em algum labirinto? Contam-se muitas histórias.Elas perdem-se, mas buscam resolver angústias. O que fazemos por aqui? Existem fadas e duendes? Caim foi mesmo o autor da morte da Abel? As histórias buscam respostas, caem em fantasias, revelam fraquezas de deuses. Soltam-se pelo […]

Read the rest of this entry »

O movimento dos corpos

Os atropelos da sociedades estão entranhados no seu cotidiano. Não há como apagar a complexidade. A humanidade tropeça com seu projeto de dominação. Sente-se que existem desconfianças constantes e grupos voltados para celebrar privilégios.A desigualdade acompanha a história e deixa perguntas que ferem. Não esqueçam as teorias científicas, as religiões, as metafísicas. Muita coisa pensada, […]

Read the rest of this entry »

Preconceitos trazem falsidades e perversões

Surpresas são constantes no território das relações humanas. Mas a agressividade choca e vem muitas vezes encobertas de hipocrisias. Não dá para esquecer que ela se repete. Para que afirmar que o progresso acontece? Por que se usar a religião para se mostrar generosidade? O cotidiano não cessa de ser cena de comportamentos obscuros. A […]

Read the rest of this entry »

A carta da magia divina

Para quem acredita que Deus não era um arquiteto dominado pelo concreto vai uma mensagem. Deus era poeta, seguidor das palavras mágicas. O verbo venho antes de tudo. Traçava geometrias que deslumbravam Deus. O mundo criou-se na fala infinita do divino.Cada coisa no seu lugar e tempo voando como pássaro colorido. Muito encanto que parecia […]

Read the rest of this entry »

A sensibilidade busca saída

O mundo das mercadoria ganha espaços imensos.Atrai ambições genocidas e multiplica as astúcias da grana. Coisificação. Valem os cálculos, as quedas nas bolsas, as consultas médicas apenas com exames.Não se sente e se mascar a lágrima e o riso .Elegem-se contabilidades especializadas. A vida se esconde na sua quietude que não atiça e máquinas rapidamente […]

Read the rest of this entry »

Desfazer o bom governo

Há momentos na história que a sociedade desanda. Criam-se conflitos, aparecem oportunistas, surgem especulações para concentrar a grana e aumentar a desigualdade. Significam momentos tensos e fatalmente violentos.O mau governo se torna uma doença. Não faltam alianças políticas mesquinhas e burlas nos negócios públicos. Não é raro o desgoverno que se agudiza com planejamentos feitos […]

Read the rest of this entry »

A nudez da história: possibilidades

Conta-se a vida, mas não dá para se esticar nos detalhes. Vive-se. Há tantas coisas que a confusão tumultua nossa lucidez. Mas como é possível se omitir, fugir dos eventos, evitar os encontros, calar-se? O movimento da história se nutre de complexidades.A grande questão é decifrá-las e estabelecer o reino da verdade. Os desafios são […]

Read the rest of this entry »

O historiador faz sua história

Quem imagina um mundo de harmonias plenas terá decepções. Os desencontros são constantes, apesar dos sonhos e das utopias. Não vamos deixá-las isoladas.É importante saber que há desigualdade e exploração, mas que é preciso não desistir.Nem todos cultivam violências e malícias. As experiências são diferentes, surpreendem, colocam incertezas. Dispensar a ambiguidade é erro, porém saber […]

Read the rest of this entry »

A morte não é um número

Muitos mistérios cercam a vida. Não haverá tempos transparentes. Sempre as dúvidas sacudirão os mais ingênuos. Nascemos, andamos, corremos, morremos.Há distrações, impasses, loucuras, cavernas, moradias descontruídas. O fim chega e derrota o desejo de inquietação. Em tempos de crises, alguns não ligam para morte e acionam as estatísticas. Há especialistas em fazê-las sofisticadas. As dores […]

Read the rest of this entry »

O perdão de cada dia

Escuto ruídos de um mundo acidentado, há dores inusitadas nos lamentos e nas raivas, e mistérios pesados na sua aflição. Não testemunho a permanência de um pessimismo cinza e ultrapassado, mas desconsagro desculpas de quem não mora na solidariedade. Poderia viver as aventuras fantasiosas de Ulisses, sem me desfazer das ondas violentas e das sereias […]

Read the rest of this entry »