Archive for the ‘sem categoria’ Category

A rua e o poeta inquietam a apatia

A agitação inquieta quem gosta da renovação da vida. Existe uma fábrica de armadilhas que governa de forma estranha e agressiva a sociedade contemporânea. A pandemia traz medos e disfarces. Desmonta.Jair aproveita para inventar fórmulas mágicas.O Brasil ganha espaços de indecisões e pânicos surgem com a ajuda do gabinete do ódio.Juntaram dissabores para ameaçar quem […]

Read the rest of this entry »

O peso da vida e os malabarismos

Já imaginou a vida como uma infinita quarentena? Eu não tenho essa ousadia.Prefiro que haja malabarismos e não portas trancada. O movimento traz danças, brinca com sorrisos. Não que a solidão seja o fim do mundo. É bom olhar o por do sol, numa cadeira de balanço e sacudir um bola no terraço do vizinho. […]

Read the rest of this entry »

Sentir e existir

Não mastigue o tempo. Sinta que ele é múltiplo. O perigo é fazer dele um caminho de preconceitos.Lembre-se de que desde os primórdios se fala em culpa.Traz peso. Incomoda.Temos que viver a história abrindo as portas, A verdade deve ser discutida e a coragem é uma necessidade. Portanto, há os delirantes que infernizam qualquer harmonia, […]

Read the rest of this entry »

Fascismo: respirações brutais

Lá estão grupos com camisas amarelas e delírios de quem não sabe nada de política. Na frente, um cavaleiro mostrando coragem fabricada.A turma do Jair quer ditadura.Não tem dimensão do que é o fascismo. Passa por fora da da história, vive numa animação vazia, inventando fanatismos. Há uma onda forte de reações, de brutalidade no […]

Read the rest of this entry »

O cansaço dos pesadelos

A pandemia continua sua trajetória.Não há notícias que sosseguem e as datas são mudadas com as incertezas. Tudo se junta para que o desacerto se consolide. Fala-se em esperança, que as coisas passam, que os milagres acontecem. Mas há um cansaço arrasador. Tento imaginar saídas e vejo crescer os labirintos. Procuro brechas. As manchetes são […]

Read the rest of this entry »

A truculência absurda

Quem pensou que a violência ia partir do mundo, equivocou-se gravemente. A história foi construída com lutas, ressentimentos, preconceitos. invejas. As utopias não apenas conseguiram salvar o lado assassino da sociedade, que tanto fez vítimas, como articulou teorias para justificar preconceitos. O mito do paraíso, talvez, seja uma forma de sonhar com azuis de paz […]

Read the rest of this entry »

Política e epidemia:desmanches

O ano já está perto do meio. Nunca se marcou tantas datas. Os espantos inquietam, mas provocam sensacionalismos. Fica-se em casa, conversa-se, as televisões não descansam. A polêmica anima quem sofre tédios prolongados. Opiniões diversas, jornalistas buscando vinganças, Moro sendo louvado pelos seus simpatizantes.A fragilidade também é grande. Qual a decisão final? Quando o vírus […]

Read the rest of this entry »

A solidão esquisita e solta

As surpresas não se vão. O planeta terra vive momentos inusitados. Há frustrações imensas e interrupções nos planos e projetos programados. Não se trata se algo ligado a um canto do mundo. Tudo se revirou de forma rápida. Não se sabe como refazer a convivência, as especulações ficam sombrias. Mas há sempre uma brecha, mesmo […]

Read the rest of this entry »

O populismo atrai

Jair segura o poder. Já profetizaram sua queda, a imprensa anuncia sua farsas, mas ele consegue um público expressivo. Sua egolatria é gigante. Apossa-se da verdade, não se inibe com a críticas.Segue cercado por fanáticos. Quem o admira espera sempre novas emoções. Desgoverna, mas cobra dos ministro de forma rude. Sente-se bajulado, demite, destrói os […]

Read the rest of this entry »

Situação política no caos

Morrem milhares de pessoas. Não há projeto de retomar uma cultura coletiva que possa refazer a sociedade e a tirar fora do abismo. A existência da epidemia não é apenas uma questão de saúde. Não há preparação básica, tudo se resume a ironias baixas com as de Jair. Tudo isso impressiona, quando se coloca a […]

Read the rest of this entry »