Archive for the ‘sem categoria’ Category

O ensino da história: complexidades fabricadas

  Ensinar sem educar é uma falta de sensibilidade cruel. Não adianta acumular datas. descrever batalhas e entrar nas fofocas de figuras ditas ilustres. É preciso que a história se amplie e toque na vida. As palavras se aproximam dos momentos da cada um, quando fugimos dos efeitos didáticos e conquistamos o mundo da reflexão. […]

Read the rest of this entry »

O capitalismo possui muitos disfarces

    Quem se liga nas astúcias da sociedade deve desconfiar das superficialidades. Há quem não observe a globalização aumentar sua expansão econômica. Isso cria espaços de lutas, de manipulações frequentes. Nem todos querem sair da sua quietude e socializar as riquezas. Inocentam o capitalismo de tudo e culpa a falta de competência das pessoas. […]

Read the rest of this entry »

O amor é a possibilidade da salvação ou da ilusão perfeita?

  Tudo tem uma história. Não é preciso ser sábio, para observar que há mudanças. O olhar de cada um possui cores singulares. As cegueiras existem, como os traumas de infâncias, as intrigas afetivas, as famílias esfarrapadas pelas dores. Ninguém, porém, deixa de falar no amor. Adão e Eva já estavam atentos. Zeus gostava de […]

Read the rest of this entry »

O deboche é um sinal de fascismo

  Tudo pode ser dito. Não há censura clara e a crítica faz bem a reflexão. Mas as palavras estão balançando numa rapidez sem fim. Poucos querem pensar. Preferem curtir o deboche. Não é o humor. São afirmações que disfarçam posições e prometem confundir. Leia o que proclamam os pastores vendedores da salvação. Aproximam-se de […]

Read the rest of this entry »

Poema do ato

Não se engane com a lei da gravidade que esquece          a história dos invisíveis e decreta a morte da adivinhação.          Imagine a negritude que vem da luz e da sombra,          revelando e não inventando, encantando e não desprezando,           construindo a ponte adormecida na fantasia do infinito,           libertando a exploração da […]

Read the rest of this entry »

No meio do facebook e do mundo, o poder se anuncia

  Não sou um pessimista radical, mas acho difícil que a história seja um lugar de bons afetos generalizados. Há muita vaidade e busca de vitrine. As mudanças, nos meios de comunicação, possuem uma grande penetração na vida de cada um. As notícias correm, as liquidações atraem, os amigos contam os êxitos de seus amigos […]

Read the rest of this entry »

As ressacas da política: a conversa difícil

  Nada de novo no pedaço das tantas querelas políticas. Houve épocas de acirramentos e de debates não pacíficos. Gurras e perseguições. Hoje, as relações voltaram, porém, a esquentar. É complexo estabelecer uma conversa, quando se trata das medidas políticas. Há uma cegueira generalizada. As raivas e os argumentos pesados substituem a lucidez. Todos se […]

Read the rest of this entry »

Há gritos parados no ar: a frágil saúde política

  Não há sociedade sem política. Adão negociou com Deus e a serpente ficou perplexa com o fim do paraíso. Tudo fica nublado quando as opiniões ganham espaço agressivo. As novidades buscam criar situações tensas e as verdades submergem. O inferno produz inimizades, dizem os amigos do diabo. Há regras descumpridas e preconceitos ressuscitados. As […]

Read the rest of this entry »

Amores, paixões, disfarces, tropeços

O amor sacode a emoção. Não se pode negar que atua de forma marcante na vida. Mas há dificuldades de aprofundá-lo quando a sociedade se veste de mercadorias e celebra cinismos afetivos. Usa-se e abusa-se de uma esquema de propagandas que idealiza os atos humanos. O amor termina se transformando num carro confortável ou num […]

Read the rest of this entry »

A solidão e a beleza: as respostas do mundo

  Admitir a solidão parece ser uma aventura que nem todos conseguem enfrentar. Vivê-la pode causar transtornos e caminhos para depressão. Mas muitos artistas negam os ruídos e se entregam ao silêncio. Nada é absoluto, mas não custa escutar a voz na sua intimidade maior. Assim pensava Rilke. Ele não queria mudanças no mundo. Procurava […]

Read the rest of this entry »