Archive for the ‘sem categoria’ Category

Quem não vê as milícias agindo?

Nas vidas que se seguem e nos cantos que pertencem a cada um, a história não se cansa de movimentar notícias e explorar perplexidades. A sociedade se desmancha, mas muitos não observam que a violência possui várias formas de ataque. Não se ligam que os preconceitos continuam ativos. Adormecem em egoísmos imensos. No Brasil, a […]

Read the rest of this entry »

Vagas vidas

       Vagas vidas o meio do mundoo meio-diao medo do dia é preciso que eu viva para que se lembrem de mim lembrem-se das travessias e das pedras que alimentaram os desejos madrugadores e as surpresas tardiaslembrem-se das vastidões do passado mítico para que o tempo da saudade não se abandone no desprezolembrem-se do descontrole, […]

Read the rest of this entry »

As histórias se cruzam

Minha história tem singularidades. Nem tudo me toca, mas há coisas que batem nas agonias do mundo. Reações diferentes, amores desiguais, afetos fluentes giram em torno de momentos que passam com ritmos diferentes. O mundo é vasto e a heterogeneidade é imensa. Há estranhamentos. Quem já escutou notícias de intrigas sem soluções? A quantidade de […]

Read the rest of this entry »

O humanismo se corrói?

O homem é um animal complexo. Muitas teorias tentam defini-lo. Algumas não conseguem sobreviver. E as utopias cheias de salvações e deuses poderosos? Organizam-se relações sociais que prometem esticar a riqueza e dividi-la de forma equilibrada. Vale a farsa. O jogo de poderes termina destroçando sonhos, quebrando ecologias, afirmando autoritarismos. As frustrações se multiplicam, mesmo […]

Read the rest of this entry »

Leituras e desconexões

Não sei ler exames. Leio palavras e me inquieto na sua intimidade. O mundo exige diversidades. Não se pode cair numa única interpretação, mas também não há como codificar o absoluto. O examinador quer, muitas vezes, a proximidade com a certeza. Sente-se um salvador. Fugir das dúvidas desafia. Para mim, é impossível. Sei que nem […]

Read the rest of this entry »

A história é impaciente

Construir um calendário para disciplinar a história é impossível. Há datas que ganham significados e memórias que lembram desfazeres.Nada é limpo, sem mistura. O reino da confusão sempre se alastra. Os europeus invadiram a América. Massacraram culturas, inventaram colonizações, impuseram valores em nome de divindades poderosas. A sociedade continua girando nas rodas da opressão. Há […]

Read the rest of this entry »

A sensibilidade dói?

Se o mundo gira e nos traz sempre surpresas, os valores se balançam e a história visita abismos e constrói afetos inesperados. Não é proibido sentir, nem abraçar solidariedades. Porém, há tensões e estranhamentos que inquietam. O pior são as indiferenças. Há quem aposte no consumo das novidades e se banhe nas maravilhas das propagandas. […]

Read the rest of this entry »

Quem vende as notícias?

A palavra credibilidade se acha arruinada. As notícias circulam numa velocidade ditada por tecnologias nada dignas. A questão é impor poder, buscar fanatismo e estragar as instituições. O reino da incerteza se amplia, desfaz autonomias, concentra falsidades, É incrível com a política se esvazia com a falta de princípios, com exaltações salvacionistas e cinismos fabricados […]

Read the rest of this entry »

A difícil convivência

Cada um com suas questões. Somos diferentes,embora não vivamos sem o afeto dos outros. A história caminha nessa complexidade que não tem fim. Há muitas lendas sobre as nossas origens. Muitos elegem deuses, criam fanatismos, tornam-se escravos da fé. Isso não elimina as incertezas. O mundo está repleto de dúvidas, de ruínas, de desencontros. Houve […]

Read the rest of this entry »

Quem não conta a ambiguidade histórica?

As relações sociais se constroem com as idas e vinda do tempo histórico. Não deve haver um contar uniforme e cheio de celebrações imutáveis. As incertezas sempre fazem parte das travessias, as relações se transformam, há resistências e se multiplicam as teorias sobre as possibilidades de se firmar uma convivência social sem assombros. Mas as […]

Read the rest of this entry »