Archive for the ‘sem categoria’ Category

Planeta terra

O planeta terra não me pertence, nem a Chico, nem a Maia, nem a Gal, nem a Milton, nem a Preta Gil Surgiu num vasto império de pomares, arquitetado por um Deus inventor de pecados e culpas, meio atordoado.. Há mistérios, rebeldias satânicas e gênios que provocam intrigas para inquietar as dores e agitar a […]

Read the rest of this entry »

Há tensões e piratas

Quem trama e inventa motivo para programar assaltos perversos? Os Estados Unidos querem tudo, avisam que não possuem limites. Produzem estratégias tecnológicas, ameaçam com armas, se dizem capazes de monopolizar ataques e fingir que o mundo deve pertencer a poucos. Não se engane. O imperialismo não se foi e as grandes fortunas não dormem. As […]

Read the rest of this entry »

Conte as travessuras do acaso

Cada dia carrega aventuras que maravilham o mundo. Entontecem. No entanto, os delírios acontecem e podem levá-lo para espaços obscuros. O controle sobre a vida é sempre enigma. As histórias acendem e apagam, como estrelas perdidas. Não há como ficar oculto, as agitações trazem coragem e equilibram medos passageiros. Não esqueça das precariedades e siga […]

Read the rest of this entry »

O mal estar não cessa

Freud morreu frustado. Refletiu sobre violência, o desfazer dos preconceitos, o desejo de multiplicar os feitos culturais. Chocou seu tempo, desmanchou mitos, mas não deixou de visitar as testemunhas do passado e conhecer as tragédias do ocidente.Sua obra tem um fôlego monumental. Não se destroçou, surpreende, intimida, comunica-se com as fragilidades humanas. Não imaginou que […]

Read the rest of this entry »

Outras moradas, outros desejos

Imagine uma encruzilhada. Não se preocupe com as formas geométricas. Curta o inesperado e se lembre de Picasso. Pense em todas as cores e chame os deuses que dançam. Não deixe de conhecer Freud, Camus, Sontag, Neruda. O acaso inquieta o absurdo e o azul comanda os desejos mais serenos. São muitas histórias que Ulisses […]

Read the rest of this entry »

Os cortes do eu e da agonia

A história nunca foi um linha reta. Há quem tente criar fantasias permanentes com se existisse um destino. A história é possibilidade, inquieta, traz surpresas, mete medos e reajustes. É uma construção com marcas de incertezas. Portanto, não adianta fixações, pois o acaso invade e a globalização forja temores antes inusitados. Não imagine o eu […]

Read the rest of this entry »

Jair trama e busca companheiros

A situação está confusa. Os ruídos andam juntos com as hipocrisias. Quem sabe a moradia dos alicerces de Jair? Consegue apoio brutal de Carlos que fermenta desmantelo. Jair desconhece tanta coisa que brinca com a verdade e massacra com um jogo nada saudável.A sua equipe é versátil. Gosta de atropelamentos. Empurra. Grita. Finge. Veste-se das […]

Read the rest of this entry »

Atos do cotidiano torto

Não sabia qual era o dia de hoje. Fico perplexo com a avassaladora viagem do tempo. A pós~modernidade anunciava mudanças, derrubava preconceitos, mas colocava temores. Isso criava suspeitas A imaginação subia e os desenganos não deixavam de marcar os sentimentos. A globalização se tornou quase um suicídio, pois o pânico bate na porta. O desconhecido […]

Read the rest of this entry »

A narrativa dos sustos

A falta existe, desde os tempos de inauguração do planeta terra. Ninguém conhece a perfeição. A incompletude faz parte da história, estimula a cultura, atiça a invenção. Nem tudo é animador. Os trapezistas também caem,os falsos profetas não deixam de existir. Tudo isso trai a esperança, nos coloca isolados e descola o sentimento do coração […]

Read the rest of this entry »

O afeto e a temeridade

Não se dá abraço. A ordem é a distância. O corpo se sente ameaçado, não conhece as estradas e se isola.Quem se abala, quem testemunha os temores? Não há visitas, o vizinho corre de qualquer cumprimento. Está imaginando uma ficção ou um romance de assombrações? O mundo se enche de aridez, parece que receberá uma […]

Read the rest of this entry »