Archive for the ‘sem categoria’ Category

Ler o mundo sem descuido

    Os livros ajudam a decifrar mistérios. No entanto, o importante é se centrar no cotidiano. Observar que o desequilíbrio contínuo se prolonga. Não há como se divertir com tantas tragédias e os descuidos do poder prevalecem. Estamos encurralados, cheios de medo, aflitos com a insegurança generalizada. Existem assaltos violentos, notícias, enganações políticas, milícias […]

Read the rest of this entry »

O jogo do poder é malicioso

  A política se despediu da ética, faz tempo. Procura servir a senhores privilegiados. Não se assuste com os projetos contraditórios. Muitos negam princípios constitucionais e consagram desmandos. Não imagine que a violência se extinguirá com uma reflexão de Moro. O sistema continua marcado por desigualdades. A fome existe de forma radical.  Brumadinho  parece um […]

Read the rest of this entry »

O jogo no Senado: a reflexão desfeita e esvaziada

  A reconceituação faz parte da luta dos saberes. Ela é vitrine política e não uma geometria carregada de neutralidades. Hoje, discute-se a violência das manobras stalinistas. Antes, ele era visto como grande exemplo de prática marxista. Há quem o defenda, pois muitos se salvam na agressividade e no ressentimento. As leituras se multiplicam e […]

Read the rest of this entry »

O encanto e o desencontro: a sociedade ambígua

    O crescimento da tecnologia animou o capitalismo. A multiplicidade de invenções modifica hábitos. O mundo se abria para um consumo. No entanto, as desigualdade não se foram. O uso de armas atômicas continua assustando e promovendo choque violentos. As guerras são cotidianas atiçando perplexidades. Compra-se e, ainda, existe euforia. Muitos perguntam se a […]

Read the rest of this entry »

Os farrapos da verdade e as máscaras ativadas: ” A Era Trump?”

  A política tem  frequentemente inquietado. O século XXI se apresenta com surpresas. A perplexidade traz desconsolo para muitos. No entanto, não custa buscar um olhar histórico e observar como as relações vão se constituindo. Trump não surgiu do nada, nem atende apenas aos delírios dos mais cínicos. Construiu uma figura que atende lacunas que […]

Read the rest of this entry »

A história constrói o inesperado

    Os mistérios que cercam nossa vida nos incomodam. É uma afirmação talvez absoluta e pouco crítica. Há quem não se ligue nas dúvidas e sorria diante das questões. Os que acreditam ,numa vida eternam possuem outra respiração. Há sempre o que dizer, pois a história não se esgota. O diferente aparece, uns observam […]

Read the rest of this entry »

A tragédia não é incomum

    Há sempre sensacionalismo no jogo da mídia. Ela gosta de imagens inquietantes. Manipula bem os desejos da sociedade que não cessa de buscar novidades. Muitas notícias atraem e provocam expectativas. Será que o pecado é um produto humano? A natureza está arruinada? A tecnologia é uma dádiva? Quem acredita no compromisso dos governos? […]

Read the rest of this entry »

Quem compra a vida e não mede a dor?

  Aceitar as fragilidades é desafio. Queremos fixar memórias cheias de glória. Criam-se discursos que não dispensam as mentiras e buscam inventar ilusões. Desde as lendas do paraíso que a história não é, apenas, travessia linear, mas fugas de dificuldades crescentes. A capacidade de trabalhar, de formular sociedade com ordens estabelecidas não cessam de formar […]

Read the rest of this entry »

As narrativas da violência, do sufoco, da ilusão

    A disputa não foge da história. Não há períodos de sossegos profundos. As inquietações mostram que o descontrole  é comum. Não é à toa que se inventaram as utopias. Houve épocas de otimismo ou de ilusões com relação ao futuro. A construção da cultura acena com conquistas. No entanto, as ambiguidades continuam imensas. […]

Read the rest of this entry »

O jogo inquieto da verdade: lembranças nietzscheanas

  Nietzsche foi um crítico feroz das tradições ocidentais. Hoje, ocupa lugar de destaque nas tramas do pensamento atual. Um mergulho, nas obras de Deleuze e Foucault,  nos traz ecos das inquietações tão presentes nas últimas décadas do século XIX. Vemos permanências.Os argumentos de Nietzsche são retomados, numa reinvenção que surpreende os saberes contemporâneos.  A […]

Read the rest of this entry »