Archive for the ‘sem categoria’ Category

Não se esconda da história

Existe quem programe as andanças da história. Sente-se dono das curvas . Prefiro verificar o acaso. Talvez, os planejamentos sejam uma forma de buscar certeza ou uma forma de se ligar nas manipulações do capitalismo. Tente soltar a imaginação. Uma leitura das tragédias gregas ajuda a sensibilidade e compreensão da incompletude humana. Os mitos ensinam, […]

Read the rest of this entry »

A cordialidade no cerco

Muito se exaltava o Brasil. Ninguém esperava tantas dissonâncias e desigualdades crescentes. Mas passamos por momentos de autoritarismos frequentes. Não esqueça de Vargas e as práticas escravistas. Hã quem exalte a alegria, a cordialidade como identidades do Brasil. Não se assinala a violência? As ditaduras militares fecharam a liberdade e trouxeram aparelhos de repressão.Portanto, Jair […]

Read the rest of this entry »

A rua deserta, casa silenciosa, terra poluída

Quem sabe o final do tempo que rege a história? Já anunciaram profecias, alguns brincam com cartas mágicas, ficam datas na memória. A sociedade se muda, sai do sedentário, busca movimento, estimula contrariedades. De repente, as cidades se alargam, as mercadorias se renovam, as epidemias assustam e as guerras inventam novas armas. Vi alguém passar […]

Read the rest of this entry »

No ritmo da agressão contínua

Conviver exige reflexões. Elas não devem ser únicas, mas ampliar o diálogo.É um movimento de invenção.A sociedade que se fecha. termina optando pelo autoritarismo. Carrega-se uma atmosfera de violência.Ela vem de cima. massacra e inibe. Estimulada pelos senhores do poder deixa muitos cercados pela perplexidade. Uma aprendizagem miliciana que diminui as possibilidades de multiplicar espaços […]

Read the rest of this entry »

O peso dos enganos mórbidos

Não pense que a vida é uma programação definida. Espere as surpresas e tente saber que temos que sobreviver. É difícil apontar que a felicidade está no meio do caminho. Há grandes dificuldades, a complexidade gira, mas especializações em fabricar o falso prosperam. Jair e o seu gabinete do ódio espantam qualquer dignidade. Sustento a […]

Read the rest of this entry »

As distâncias e as saudades

O tempo passa, não há dúvida.Temos imagens de épocas remotas e sabemos que a memória está girando. Cada época possui seus desenhos, inventam-se agonias, batalhas, modas, desejos de pular cercos e salvar amores. Somos animais complexos e perplexos. Planejar o futuro nos chama para rever quem acertou, quem se sente oprimido, quem acredita que irá […]

Read the rest of this entry »

O tédio conta o tempo

Fala-se de calendários fixos na parede.Lá estão os dias, as celebrações, as datas patrióticas. Isso inquieta. O capitalismo curte as comemorações. Vende, oferece ofertas, engana. As mercadorias se apossam das vitrines e os empregados dão expedientes. O salário é mínimo, o delírio é imenso, as ilusões aliviam tensões. Imagine que o calendário foi desmontado. O […]

Read the rest of this entry »

Regina está na vitrine

O governo de Jair montou uma equipe esquisita.Ela muda com declarações debochadas, relembra ditaduras, gosta de ironizar. Existem tensões constantes com a imprensa e as agressões são comuns. Saiu Moro, tudo ficou nublado, os antigos irmãos se chocam. Quem tem razão? O processo se inicia com intrigas radicais. Não há sossego. Regina Duarte se mostra […]

Read the rest of this entry »

Não se afogue

Cada tempo traz suas travessuras e malabarismos. A vida passa sem saber que a estrada é longa e curva. Há pântanos que não revelam seus perigos e afogam as estrela. Não ame a certeza, tampouco crie seu discurso do método. Voe com o pássaro que viaja no circo rindo com o palhaço. Esgote as amarguras. […]

Read the rest of this entry »

Somos momentos e paisagens

O domínio sobre o tempo é algo escorregadio. Causa estranhamentos. Muitos sentem a rapidez, não conseguem conversar com a vida e fica agoniado com a pressa dos negócios. Não há como definir momentos homogêneos. Conhecemos os outros observando as diferenças e até mesmo a forma de caminhar. Compomos as paisagens. Temos cores e formas, somos […]

Read the rest of this entry »