Archive for the ‘sem categoria’ Category

Repartir a vida( para Luís)




Repartir a vida na travessia do inesperado, desfaz as amarguras e as suspeitas das dúvidas. Não há encantos em sentimentos disfarçados, as perdas nos deixam alucinados em busca da certeza. As luzes não estão  acesas e a escuridão nos mete medo. Há um desejo que a saudade invente outro tempo e cada passo recomponha futuros […]




Share Read the rest of this entry »

Qual o peso da justiça no Brasil?




  Não faltam dúvidas. Quem se salva? A lista de Janot é feroz. Passa por quase toda população dos políticos. Muita acusação, dinheiro solto, revelação de intimidades, senadores e deputados enlouquecidos. Há sustos, mas também hipocrisias e respostas prontas. Será que tudo vai tomar o caminho do esclarecimento? Ninguém sabe. Muitos processos contaminam perspectivas eleitorais. […]




Share Read the rest of this entry »

O fogo da palavra




a palavra cerca a vida e o corpo nega que tudo tenha apenas um significado. poderia multiplicar as cores e os traços mas nada termina a vastidão da palavra. quem inventou o mundo sabe que a eternidade é uma abstração divina e a palavra seu encanto indefinido. o fogo do mundo se encerra no último […]




Share Read the rest of this entry »

Karnal e Moro: a vitrine tem muitos donos




O país está muito dividido e cercado  de ressentimento por todo lado. A ilha Brasil se estende. Cada dia se planta uma árvore ou se organiza um escândalo. A população é grande. Há uma cultivo delirante da mídia e necessidade de ídolos. Muito desemparo, numa sociedade onde a morte acompanha a miséria. Celebra-se água, a […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo das quadrilhas mirabolantes




A quantidade de bancos explodindo assusta. Uma devastação que nos deixa perplexos. Prendem trés, quatro, mas o suspense continua. Muita grana solta e as pessoas aflitas não sabem o que fazer. Cada cidade atacada é um terremoto. No meio de uma economia combalida, a segurança tornou-se um problema sem fim. Tudo feito com grande eficácia. […]




Share Read the rest of this entry »

O desejo da vida




Leia um conto de Borges que festeja o desejo e jogue  fora a melancolia da vida sem feridas. Não caminhe com os demônios ensandecidos, desvie-se dos deuses vendedores de perdões. Há travessias curvas, com pedras e abismos, há corpos quentes distraídos com o tempo. Seja o mínimo para quem desfila com arrogância, pense no sentimento […]




Share Read the rest of this entry »

Gabriel e a solidão que se torna perene




  Li Gabriel García Márquez cedo. Dei conta de boa parte de seus livros com alegria e encantamento. Quando li Cem anos de solidão fiquei levitando. Nunca tinha navegando por mares tão belos. Há dois livros que me empolgam e não canso de celebrar suas palavras: As cidades invisíveis e Cem anos de solidão. A […]




Share Read the rest of this entry »

As culturas, os pertencimentos, as modas, os vazios




A incompletude não é uma invenção vadia. Estamos longe da onipotência e os deuses descansam dos pecados que também cometeram. A sociedade roda. Os conflitos aparecem com frequência. Nunca se consagraram tantos medos e tantas inseguranças. Cada aventura significa uma ameaça sem definição. As polêmicas renascem, a memória se aquece, os preconceitos se agitam. Será […]




Share Read the rest of this entry »

A ressaca do mundo




Ouve o ruído de quem tem ressentimento e se cansa da alegria, carregando o corpo como uma pedra angustiada com a lei da gravidade. Olha as elites soltas, pulando os lixos e abraçando os privilégios, acusando os tropeços das corrupções, invadindo direitos e criando violências. Desconfie de quem se declara sempre prejudicado e tem gosto […]




Share Read the rest of this entry »

O carnaval: as andanças embriagadas da vida




Os ruídos não se ausentam. O carnaval passa, mas os ouvidos escutam ressonâncias e esperam. A festa do desejo é incansável. Deixa saudades, porque há sinais de que o mundo vai ganhar outro ritmo. O tempo redefine os trabalhos e aumenta os problemas. O carnaval anunciou, para muito, um paraíso. Há uma febre contagiante e […]




Share Read the rest of this entry »