Archive for the ‘sem categoria’ Category

Afetos mortos

     Desatravesse as curvas de um passado distante. Não negue que o tempo tem definição pronta e olhe o outro no espelho da vida que atiça. O mundo se enche de acumulações vazias, de mentiras que castigam inocentes e vadios. Não aposte no futuro desencontrado e conte o avesso  dos preconceitos medonhos. Desmanche a […]






Share Read the rest of this entry »

Neymar e Chico: as vitrines traiçoeiras

A sociedade curte uma diversidade incrível de fantasias. Ela gosta de ídolos, inventa deuses, adora imagens. Diverte-se. A vida é dura, mas não custa procurar saídas e não morrer na desilusão. O capitalismo não descansa. Estamos vivendo períodos de intensas tensões e brincadeiras. A globalização não garantiu segurança. Existem muitas fronteiras armadas e uma farmácia […]






Share Read the rest of this entry »

No meio do mundo: as verdades e as mentiras

Há insistência na busca de verdade, desde o início da história.Existem os contrapontos. Não há uma verdade absoluta, embora muitos cantem o eterno. As suspeitas não desaparecem. As concepções de mundo se transformam de forma veloz, sobretudo no tempo que vivemos. Há dúvidas e subterrâneos  inundados por fantasias. A quantidade de meios de informações cria […]






Share Read the rest of this entry »

O descanso de Deus e a corrupção disparada

  O assunto se repete com muitos escândalos. Todos jornais se armam de notícias de delação. Os procuradores buscam novidades, colocam intrigas, mexem com as leis. Nada novo com a corrupção e seu percurso na história. Não sei se existe uma natureza humana. Isso é discutível. Mas não há períodos sem desacertos. Hoje, vivemos um […]






Share Read the rest of this entry »

A palavra escondida, o engano fatal

Não conto histórias com palavras transparentes, a linguagem não vive sem enganos, se veste de máscaras e as aventuras sempre gostam de brincar com os abismos. O mundo anunciado não é verdadeiro, nem contém o absoluto, apenas viajamos como exilados sem rumos definidos, tontos e vadios Não defina significados, despreze o tempo exato, finja coragem, […]






Share Read the rest of this entry »

A violência de cada dia

Falam que a guerra civil se estrutura, aos poucos, e surpreende. Ela produz uma inquietação agressiva. O medo se expande quando os assassinatos acontecem e oferecem um espetáculo nada agradável. Por detrás dela, existem golpes políticos, corrupções programadas, vinganças objetivas.O Rio de Janeiro assusta. Seu cotidiano ganhou sangue covarde, explodiu cofres, intimidou policiais. Não é […]






Share Read the rest of this entry »

Os moradores de rua e a opressão

  Morar. Estamos no mundo, procuramos abrigos, queremos atenção, olhamos os outros. Quando se pensava que as ideias iluministas iriam salvar a sociedade, a miséria continua fazendo vítimas e construindo desencantos. A razão cartesiana não deu conta de estimular as utopias. A desigualdade permanece, a concentração de riquezas não se vai, as indiferenças cortam o […]






Share Read the rest of this entry »

Apocalipse desejado

Há na certeza do azul um horizonte que não magoa, uma história que não tem medo do perdão. Não é possível adivinhar o tamanho da sorte, nem se intrigar com o brilho das estrelas. Os amores cedem quando desmancham sonhos, se esfumaçam quando se fixam num espelho. Não pense na ultima forma do mundo, conte […]






Share Read the rest of this entry »

Pamuk: escritas do cotidiano, escritas desenhadas e estranhas

  Os livros de Pamuk exigem fôlego. Leituras que movem dias e imaginações inesperadas. Já mergulhei em boa parte da sua obra. Vivei emoções incríveis quando li Istambul. Fiquei na transcendência com a sensibilidade que corri para escrever alguma coisa. Estava delirando. Há, às vezes, melancolias, descrições detalhadas, paixões amargas. Pamuk desenha as palavras com […]






Share Read the rest of this entry »

As quadrilhas não vivem sem estratégias

  Cada dia uma surpresa. Manobras que atingem o cerne da ética. Decepções gerais, mas muita gente rindo da manipulação constante. Derrubaram Dilma. A estratégia era ampla. Segue armando escorregões. Parece que não há como punir. A justiça tropeça. Ha opiniões múltiplas e uma mídia fragmentada. Diante das frustrações, a sociedade se desmantela. As necessidades […]






Share Read the rest of this entry »