Conversas com Nietzsche

Há um fantasma estático atrás do meu corpo,

perguntando sobre o destino de Nietzsche.

perplexo com as suas profecias radicais.

Vejo sombras inquietas com o anúncio da morte de deus

e o eterno retorno das das culpas vadias e opressoras.

Não há amores nos desencantos tardios e nômades,

mas uma desconfiança permanente nas sombras do horizonte.

As saudades estragam sentimentos do passado

e a vida corre em busca da arte desconhecida.

Fecho as portas de todos os quartos, fujo das conversas,

desenho uma armadura que distrai as amarguras e as finitudes.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>