Desafazeres e fantasias

      Desenhar a linha do tempo deixa as geometrias enlouquecidas.

       As profecias são especulações, divertimentos, distrações,

      cada uma envolvida na confiança de sortes e deuses.

       Não busque a linha da certeza, nem a lágrima da última saudade,

       a vida se reinventa no meio da noite, no sonho que não termina.

       Tudo se toca e se estranha, sem origens e com paraísos fabricados,

       seguindo sentimentos que se desfazem em minutos velozes.

       Sua história está no corpo que adormece e  se movimenta,

      guardando sua sombra para proteger as ruínas do mundo e do desencanto.

      Sinta a imagem dos olhos e desconfie dos espelhos e das amarguras tardias.

As conversas não esclarecem, nem escondem, mas animam e distraem,

trazem fantasias que invadem sentimentos e  desejos.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>