Entre a verdade e a mentira a notícia se faz

Consumo e comunicação são palavras poderosas. Estamos na aldeia global. Todos se sentem próximos e viajam nas fantasias das máquinas irreverentes. Elas são lançadas com promoções gigantescas. Encontram-se em São Paulo, Teresina, Singapura, Tóquio, Istambul. Correm o mundo como uma tempestade inesperada. Steve Jobs morreu, mas deixou altares. Espera-se que outras invenções surjam, como a fatalidade de um destino festejado. Portanto, as notícias não cessam de procurar  espectadores. Agitam a atmosfera da informação. Quem pode viver sem elas? As novidades nutrem desejos variados, criam personagens e cidadãos do mundo.

O difícil é situar-se entre a verdade e a mentira. Como se desfazer da polêmica? Como saber o estão acontecendo as mudanças políticas no Oriente Médio? Há  interessados em combater o autoritarismo? E as manifestações que ocorrem, em Nova Iorque, contra as explorações do capitalismo? Quando se assume que as relações humanas são atravessadas por comportamentos múltiplos, as interpretações sobre os fazeres da vida balançam e ameaçam o conceito de credibilidade. O que o governador do Rio de Janeiro pensa da presidenta Dilma Roussef? Será que a corrupção ronda outros ministérios?

Voltemos ao século XIX. Havia quem admitia contar o passado como ele, realmente, sucedeu. Isso se foi ou a discussão sobre a verdade, ainda, atiça divergências incontornáveis? Depois que derrubaram os dogmas, com a secularização da cultura, e a ciência estendeu seus argumentos e  experiências, os saberes ampliaram os debates, tudo se vestiu de uma relatividade contínua. Hitler convenceu muita gente e liderou genocídios. Romário diz que Pelé é limitado, mas calado é um poeta. Obama tenta convencer seus adversários defendendo as possíveis saídas para o desmantelo econômico dos Estados Unidos.

Flutua-se entre realidade e ficção. Certo é que as notícias são mercadorias valiosas no mundo da comunicação, na medida em que a cibernética se sofistica ou oráculos mudam de ornamentos. A esfinge que traçou o destino de Édipo não tem morada no mundo digital. A tragédia é outra, o herói dá show no Morumbi, as multidões choram a desclassificação do Big Brother mais esperto. Os valores se misturam, pois complexidade não é só técnica. Ela atinge sentimentos, destrói afetos, expande o mercado de psicotrópicos. Uma pergunta é constante: qual é a versão que convence? E a resposta não sossega a dúvida, assusta quem se define equilibrado e consciente.

Cada um segue seu caminho. Agrupa-se ou disfarça sua solidão. Não precisa se trancar ou alugar um apartamento numa rua abandonada. As vacilações nasceram para todos,  a onisciência para arrogância de alguns. Observe o vaivém das fórmulas, as cores das fotografias, os discursos dos planejamentos, as propagandas de bebidas, a didática do professor desencantado. Se estiver querendo mergulhar no universo da verdade e da mentira, não se afaste dos outros, nem cultive ingenuidades. Mantenha-se acompanhando as conversas dos tolerantes e comparando os desenhos das arquiteturas mais bizarras. Não se desligue da subjetividade, nem se configure na eternidade de um amor sem curvas. Olhe sua própria figura com certas desconfianças, mas sem desespero. Não esqueça que o inferno não vive sem o paraíso.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Emanoel Cunha disse:

    Busco na vida tantas coisas que nem sei por que razão eu fortaleço minha vontade para que tudo aconteça do meu jeito,pois desconfio dos arquétipos dos homens, não é sempre que me entrego em toda subjetividade do qual contruo no dia-a-dia.

    As interpretações do mundo me direciona a enfrentar vários fatos que me entrelaçam no que tange entre o que é fictíco e o real. Costumo a reelaborar e revisionar todas as perguntas que o mundo me propõe, dentre suas configurações pensadas do bombadearmentos de notícias que vivenciamos na comtemporaneidade. Pensando dessa forma reconfiguro a arte de compreender o mundo, com seu constante processo de emaolduramento de novas linguagens surgidas na história.

    Emanoel Cunha

    Abs

  • Emanoel

    Cada um busca o caminho. As mudanças trazem direções desconhecidas. Assim, segue a vida.
    abs
    antonio

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>