Fatalidades tardias

não imagine uma história que pareça única

nem sonhe um amor desfeito no bar central.

conte as palavras riscando as pedras azuis

dos monumentos vazios e abandonados .

fuja como quem ri de uma hiena vadia.

sinta que o corpo pede uma abraço de lágrimas distraídas

e não quer ser tomado pelo vírus assassino.

escreva o íntimo se despedindo do que nunca viveu e

invente pássaros numa noite vermelha e desconfiada.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>