Cinismos, jogadas, granas, farsas

Nos tempos em que as crises se aprofundam as confusões não cessam de existir. Insiste-se na mesmice. Cai a reflexão, a coragem fica na corda bamba, a imprensa inventa suas manchetes para propagar a chegada do abismo. Ele não chega, cria-se um sensação de que nada vale e que a sociedade se arrasta preguiçosamente. É claro que se forma um batalhão de caça aos possíveis culpados e farsantes. Isto se repete. Quando penso que alguém assanhou outras conquistas, com malabarismos, me decepciono . Os espelhos estão velhos e anacrônicos. Atravessamos  momentos em que as crises se encontram, trocam poucas palavras e invadem as especulações dos mais espertos. Não faltam geometrias, sobram desgovernos, a culpa desfila como a grande atração.

As tradições se acendem. Há tentativas de se voltar ao passado como se a história tivesse um ritmo linear. Muitos se vestem com as fantasias do progresso, desconhecendo a memória e jogando as últimas ilusões. Somos animais sociais, já afirmamos essa máxima inesquecível. Eu vou e volto.Temos coisas em comum, mas há diferenças importantes. Nem todos se apropriam do dinheiro com cinismo e há quem busque esclarecer o que significa democracia. Outros se ajoelham para pedir perdão dos pecados cometidos e tentam estabelecer diálogos com seres transcendentais. A história continua, faz a curva, sobe ladeiras e  não quer saber de despedidas. Adão e Eva merecem consideração.

Ela é uma invenção social ou surgiu magicamente? Um ponto de debate que não possui uma resposta definitiva. Se é uma invenção social onde ficam nossas responsabilidades? Há luta, descanso, multiplicidade, desejo. Mil palavras não dão conta das tantas dúvidas que nos cercam e não podemos dispensá-las. O mundo não se fixa e convive com as incertezas. Quer o absoluto? Fantasie-se, compre uma máscara e fuja para a praça, lá as pessoas conversam com os cães e os jovem vendem doces e roupas. Dê um pique para ajeitar o corpo e imagine que tudo se parece. Será que existe uma grande mentira que nos seduz como uma energia anônima? Tantos nomes, leis, acusações, julgamentos, sentenças e as armadilhas continuam. Os espelhos confirmam imagens desfiguradas.

Tenho inúmeras lembranças que, nem sempre, me pertencem. Gosto de socializá-las. Não tenho receio de desenhar territórios que não conheço. Na minha cabeça pode caber  o infinito? Nem sei o que é infinito. A cultura se expande na medida em que nos livramos das tensões. Muita crise nos enche de tédios, desistências, reclusões. Não deixemos que as diferenças desapareçam e os sonhos sejam iguais. Seja passageiro da história, não engane seus fantasmas e não despreze as ficções. Mia Couto, Calvino, Agualusa, Kafka não esquecem que o mundo não sobrevive sem o inesperado. Faz parte da crise. Não troque seu computador pelo que viu na vitrine. Há afeto entre os objetos. O sol pede respiração e não mande dinheiro para Suíça. Será que há portas no labirinto? Nem sei se amanhã será outro dia.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>