HUMANIDADE E O VÍRUS

                                             

Microbiologia do vírus

 Parece que a história parou ou se entrou num delírio incomum. As polêmicas são imensas. Jair vive de falar tolice e acha graça. Outros o seguem. O mundo se balança, pois não encontra saída com a tecnologia que achou. Superestimuou-se, mas o vírus ameaça a sobrevivência e o medo circula. A perplexidade aumenta, embora privilegiados se sintam acima de todos os perigos. A natureza e nós também estamos numa encruzilhada. Os contrapontos existem, ferem, provocam desamparo.

Há quem afirma que tudo apareceu de repente. Falta um olhar profundo sobre a história. Será que não se lembram da bomba atômica? Os massacres da colonização destruíram e firmaram preconceitos. Porém, a memória é seletiva e os dominantes não cessam de animar poderes obscuros. Nada acontece de repente, há trilhas, relações, sentimentos, perdas, exemplos daninhos.

Nunca assistiu tanto incômodos. Fico mesmo observando que os limites se espalham e que o fanatismo de outros não submerge. Não existe, apenas, o ocidental e suas ambições. As ambiguidades mostram que é preciso escutar. Será que são as grandes cidades as governantes do bem? Será que não há registros de espelhos egoístas? Fechar a porta para não ouvir os ruídos é apelação e testemunha que a intriga desmonta.

Talvez, as perguntas atormentem, porque se pensou que o progresso evitaria a miséria. Não aconteceu. O consumismo pede o artificial, quer o plástico, imagina subir a maior montanha do cosmo. Portanto, as misturas de expectativas criam inimigos e isolamentos. É luxo de poucos privilegiados que minam as possibilidades de sonhar a solidariedade. O vírus concretiza a desigualdade. A solidão confunde os sinais do amanhã.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>